Tecnologia

| Robotica

A Rússia enviou ao espaço nesta quinta-feira (22) Fedor (ou Feodor), seu primeiro robô humanoide, que deve passar um período na Estação Espacial Internacional (ISS) como um experimento para o uso deste tipo de máquina na exploração do espaço.

"Vamos! Vamos!", afirmou o robô em russo no momento da decolagem, recordando a famosa expressão de Yuri Gagarin durante a primeira viagem espacial do homem em 1961.

##RECOMENDA##

Fedor, que tem o número de identificação Skybot F850, decolou às 6H38 de Moscou (0h38 de Brasília), a bordo de um foguete Soyouz, lançado da base russas de Baikonur, no Cazaquistão.

Fedor deve, a princípio, chegar à ISS no sábado e permanecer na estação até 7 de setembro. O foguete utilizado no lançamento está equipado com um novo sistema de controle digital e motores de última geração.

O robô, com corpo antropomórfico prateado, mede 1,80 metro e pesa 160 quilos. Fedor é um nome russo (Feodor) e também uma sigla em inglês: "Final Experimental Demonstration Object Research".

Fedor tem contas nas redes sociais Instagram e Twitter, nas quais divulga informações sobre sua vida diária e suas proezas, como aprender a abrir uma garrafa de água.

A bordo da ISS, o robô vai participar em diferentes atividades, sob a supervisão do cosmonauta russo Alexander Skvortsov, que chegou à Estação Espacial Internacional no mês passado.

Fedor deve testar suas capacidades em condições de gravidade muito reduzida. Uma de suas principais habilidades é imitar os movimentos humanos e, desta maneira, poderá ajudar os astronautas a cumprir suas tarefas.

"Deverá fazer cinco ou seis tarefas, que são secretas", afirmou na quarta-feira Yevgueni Dudorov, executivo da empresa que criou Fedor.

As operações o obrigarão a manejar uma chave de fenda e outras chaves, afirmou Alexander Bloshenko, diretor de programas da agência espacial russa, Roscosmos, em uma entrevista ao jornal Rossiyskaya Gazeta.

- Missões arriscadas -

Fedor não é o primeiro robô a viajar ao espaço.

Em 2011, a Nasa enviou ao espaço um robô humanoide chamado Robonaut 2, desenvolvido em parceria com a General Motors, com o mesmo objetivo de testar suas atividades em um ambiente de risco elevado.

O robô retornou à Terra em 2018 por problemas técnicos.

Em 2013, o Japão enviou ao espaço o pequeno robô, Kirobo, coincidindo com a chegada do primeiro comandante japonês da ISS, Koichi Wakata.

Kirobo era capaz de falar, mas apenas em japonês.

Além da missão específica, as autoridades russas, que consideram a conquista do espaço uma questão estratégica, não escondem as ambições para Fedor e seus futuros irmãos.

Estas máquinas poderiam executar operações perigosas, como as saídas ao espaço, afirmou Alexander Bloshenko, da Roscosmos, à agência RIA Novosti.

O diretor da Roscosmos, Dmitri Rogozin, exigiu em agosto fotos de Fedor ao presidente russo, Vladimir Putin, e apresentou o robô como um "assistente da tripulação" da ISS.

"No futuro, contaremos com esta máquina para conquistar o espaço", declarou na ocasião.

A conquista do espaço é uma grande fonte de orgulho desde a época soviética, mas enfrentou muitas dificuldades desde o fim da URSS.

Apesar das ambiciosas promessas do Kremlin, o setor registrou acidentes humilhantes e escândalos de corrupção nos últimos anos.

A Rússia, no entanto, continua sendo no momento o único país com capacidade para enviar astronautas à ISS.

Antes confinados ao mundo das histórias em quadrinhos, os exoesqueletos 'wearables' (exoesqueletos vestíveis) que aumentam as habilidades físicas de uma pessoa deram mais um passo nesta quinta-feira (15), quando pesquisadores da Universidade de Harvard revelaram shorts robóticos que ajudam na caminhada e na corrida.

O dispositivo pesa apenas cinco quilos e detecta a marcha do usuário para ajustar adequadamente seu ritmo.

##RECOMENDA##

Caminhar e correr são atividades muito diferentes do ponto de vista biomecânico, e os dispositivos anteriores se concentraram em impulsionar um ou outro, mas não ambos, disse à AFP o coautor Conor Walsh, do Instituto Wyss para Engenharia Biologicamente Inspirada de Harvard.

Trata-se de um passo em direção a dispositivos que podem ajudar as pessoas não em uma única atividade, mas "em suas vidas cotidianas, de muitas maneiras diferentes e em muitas atividades diferentes", afirmou.

A inovação exigia o desenvolvimento de um algoritmo de controle que usasse três sensores para detectar com 99% de precisão o que o usuário estava fazendo e responder de acordo.

Em um artigo publicado na revista Science nesta quinta-feira, os autores escreveram que o traje reduz o gasto médio de energia da caminhada em 9,3% e o da corrida em 4,0%, uma melhoria que se mostrou significativa no desempenho atlético.

O exoesqueleto robótico foi testado em vários ambientes, e Walsh disse que sua bateria durará por até 10 quilômetros de caminhada e corrida.

Esta versão em particular está focada em aumentar o desempenho de pessoas saudáveis, e Walsh disse que imaginava que poderia ser usada em atividades ao ar livre, ou ajudar "um soldado ou alguém sobrecarregado a ficar menos cansado".

Mas a equipe também está investigando no laboratório dispositivos futuros que podem ajudar os sobreviventes de derrames que sofreram perda de mobilidade a caminhar de maneira mais simétrica, eficiente e rápida.

Eles estão trabalhando com um parceiro comercial na obtenção da aprovação regulamentar para levar um dispositivo médico ao mercado nos próximos anos, e estimam que será vendido por cerca de US$ 30.000.

A versão não médica que poderia ajudar os trabalhadores de fábricas ou de outros ambientes ocupacionais será disponibilizada por meio de uma star-tup que será lançada no próximo outono boreal em Harvard.

Os exoesqueletos moles ('soft exosuits'), que usam tecidos para se ajustarem mais naturalmente ao corpo humano, representam uma evolução em relação aos exoesqueletos duros ('hard exosuits'), mais restritivos, que ainda são usados em ambientes terapêuticos.

Alunos do Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), vão ministrar uma série de encontros gratuitos para quem quiser saber mais sobre robótica. Chamado de Academia RobôCIn, o evento trará um mês de meetups dividido em quatro encontros com diferentes temas que tratam das competências e potencialidades da robótica para a sociedade.

O primeiro dia contará com a professora e orientadora do RobôCIn, Edna Barros e com o aluno Lucas Cavalcanti (gerente da equipe), para falar sobre o trabalho que levou a equipe de robótica à maior competição de robôs autônomos do mundo, a RoboCup. O mundial que ocorreu na Austrália, em julho de 2019, deu ao time o título de melhor equipe brasileira na categoria 2D Simulation e a segunda melhor equipe nacional na série B da categoria Small Size League.

##RECOMENDA##

Outro título conquistado pelos jovens foi o Most Improved Award, honraria dada aos times que se destacam por seu desempenho na competição e superam as expectativas. Essa foi a primeira participação do RobôCIn no mundial, mas o grupo já acumula conquistas na LARC, competição de robótica da América Latina, e na IronCup, competição nacional.

O primeiro encontro está marcado para o dia 20 de agosto, às 16h, no Anfiteatro do CIn-UFPE. Os demais encontros da Academia RobôCIn, acontecem nas semanas seguintes e trarão um panorama de iniciação à robótica autônoma, incluindo detalhes sobre as categorias competitivas 2D Simulation e Very Small Size League (VSS). 

Todos os meetups são gratuitos e serão realizados no Anfiteatro das 12h às 13h, com exceção da abertura que ocorrerá às 16h. Confira a programação completa:

20/08 - Abertura da Academia RobôCIn: Conhecendo o RobôCIn

27/08 - Introdução a Robótica e Robótica Autônoma + Entendendo o Seguidor de Linha

03/09 - Entendendo Simulation 2D + Entendendo a VSS

17/09 - Entendendo a SSL: o robô e a inteligência artificial (IA) 

Em um templo budista japonês com 400 anos de antiguidade, a deusa da compaixão, Kannon, adotou a forma de um androide para receber fiéis e visitantes, mas esta iniciativa para estimular o interesse pelo budismo não é unanimidade.

O androide Mindar, cuja criação custou cerca de um milhão de dólares, recita sem parar sutras budistas e adverte, com sua voz metálica, contra a vaidade e contra os perigos do desejo, da cólera e do ego.

##RECOMENDA##

Os sacerdotes de carne e osso continuam presentes no templo Kodaiji, da antiga capital japonesa, Kooto, e veem com bons olhos este novo "colaborador", feito de cabos e de silicone.

Para eles, esta máquina está especialmente adaptada para o budismo e pode evoluir, acompanhando os avanços tecnológicos, assim como melhorar com as experiências registradas.

"O budismo não é uma crença em um deus. É seguir o caminho de Buda, é se comprometer com o caminho de Buda. E pouco importa que esteja representado por uma máquina, sucata, ou uma árvore", diz um dos religiosos, Tensho Goto, à AFP.

Alto como uma pessoa adulta, com a parte superior do crânio aberta para deixar os elementos eletrônicos à mostra, uma minúscula câmera no olho esquerdo e apenas com o rosto, mãos e ombros de silicone - para imitar a pele humana -, o "sacerdote-robô" está instalado em uma sala montada especialmente para ele.

Em uma das paredes, projetam-se traduções em inglês e chinês das mensagens pronunciadas pela máquina, junto com imagens de natureza e de gente.

- "Evoluir até o infinito" -

Surgido de um projeto comum entre este templo zen carregado de história e o famoso especialista em robótica Hiroshi Ishiguro, da Universidade de Osaka, o androide entrou em serviço este ano.

"Pode ser difícil para alguns comunicar com sacerdotes um pouco antiquados como eu, e espero que este robô seja uma forma lúdica de encher este vazio", avalia o religioso Goto, pensando nas novas gerações.

A Universidade de Osaka fez uma pesquisa entre os fiéis: alguns disseram sentir "um acolhimento que não se sente diante de uma máquina", enquanto outros reconheceram que se sentem "pouco confortáveis" com "as expressões muito artificiais do robô".

Alguns fiéis chegaram a acusar o templo Kodaiji de sacrilégio.

"Os ocidentais foram os que mais se incomodaram com o robô", contou Tensho Goto, afirmando que as reações dos japoneses são positivas, em sua maioria.

"Os japoneses não têm preconceito contra os robôs. Fomos educados com história em quadrinhos, em que os robôs são nossos amigos. Os ocidentais pensam diferente", explicou.

"O objetivo do budismo é reduzir o sofrimento", acrescenta o sacerdote.

"A sociedade moderna traz novas formas de estresse, mas o objetivo realmente não mudou há mais de 2.000 anos", completou.

"A grande diferença entre um monge e um robô é que nós vamos morrer, enquanto que ele conhecerá muita gente e armazenará muitas informações, que vão fazê-lo evoluir até o infinito", reforçou.

[@#video#@]

A cidade de Paulista receberá, pelo quarto ano consecutivo, a etapa regional do Torneio de Robótica First LEGO League. O evento, que ainda não tem data para acontecer, será realizado na unidade SESI Paulista e visa atrair estudantes de 9 a 16 anos interessados na área de tecnologia. As inscrições para participar do evento começarão no dia 1º de setembro.

Cada edição tem um tema baseado em um assunto científico do cotidiano e “City Shaper” foi o selecionado para a temporada 2019/2020. Alunos de instituições situadas em 80 países deverão pesquisar soluções que possam contribuir para o desenvolvimento das cidades. Um dos desafios que os estudantes terão é encontrar formas para otimizar questões relacionadas ao meio ambiente, mobilidade, acessibilidade, desastres naturais, entre outras situações. 

##RECOMENDA##

As equipes participantes poderão ser compostas por alunos de escolas públicas ou particulares, grupos de amigos ou times de garagem. Cada grupo deverá ter entre dois e 10 participantes, além de dois treinadores (um sendo suplente). Os competidores também precisarão construir e programar robôs baseados na tecnologia LEGO Mindstorm para cumprir as missões. As equipes serão avaliadas pelo desempenho através de conceitos definidos pelos juízes. 

Além de Pernambuco, outros 13 estados também sediarão as etapas regionais. São eles Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. A etapa regional pernambucana oferta 40 vagas e a taxa de inscrição é de R$ 100. As melhores equipes serão classificadas para o torneio nacional.

LeiaJá também

--> Alunas de escola pública criam 'micro-ondas ao contrário'

--> Robô da Equipe Nautilus representa Brasil na Robosub 2019

--> RobôCIn conquista terceiro e quarto lugar na RoboCup 2019

Alunas de uma escola pública de Brasília, foram selecionadas para Mostra Científica Latino-Americana, no Peru, depois de construírem um tipo de micro-ondas que esfria ao invés de esquentar. Chamado de Projeto ColdStorm - ou “micro-ondas ao contrário”, o aparelho consegue refrigerar bebidas em um tempo médio de 6 minutos, mas a intenção das meninas é que o resfriamento dure, no máximo, 1 minuto. 

Adrielle Dantas, Gabrielly Vilaça e Raffaella Gomes estudam na região do Gama e iniciaram o projeto em 2017. Em junho deste ano as meninas participaram da Exposição de Ciências, Engenharia, Tecnologia e Educação (EXPOCETI), em Pernambuco, e saíram premiadas do evento. Elas ganharam não apenas o primeiro lugar na área de engenharia como também receberam um certificado de destaque da Faculdade Imaculada Conceição de Recife e da World International Fairs Association (WIFA).

##RECOMENDA##

Agora, as garotas tentam participar da Muestra Cientifica Latino-americana (MCL), em Trujillo, no Peru, que vai acontecer entre os dias 9 e 15 de setembro. Para isso, elas criaram uma vakinha que deve ajudar não apenas nos custos da viagem, mas também em melhorias ao “micro-ondas ao contrário”. 

Projeto ColdStorm 

Parte do protótipo criado pelas estudantes foi construído a partir de lixo eletrônico, principalmente, porque o caráter sustentável é um dos focos das alunas, que fizeram os cooler's reaproveitando computadores velhos. Entre as melhorias que elas esperam implementar antes de viajar, está conseguir que o protótipo gere sua própria energia. Quem estiver interessado em contribuir para ajudar com os custos desta empreitada pode fazê-lo até dia 26 de agosto, acessando este link.

A equipe de automação naval e submarina Nautilus, formada em sua maioria por alunos de engenharia da Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Poli-UFRJ), viaja nesta terça-feira (23) para os Estados Unidos, onde vai representar o Brasil na Robosub 2019. O campeonato internacional de Veículos Submarinos Autônomos (AUVs, do nome em inglês) será realizado entre os dias 29 de julho e 4 de agosto, na cidade de San Diego, Califórnia. Esta é a terceira vez que o evento receberá a equipe da UFRJ, que é também o único grupo da América Latina a participar do certame.

O professor do curso de Engenharia de Automação e Controle da Escola Politécnica, também coordenador da equipe, Cláudio Miceli, disse à Agência Brasil que, no ano passado, a equipe ficou entre as 20 melhores da competição. “A gente tem todas as condições de repetir o desempenho do ano passado em termos de projeto e do robô mesmo e até buscar um resultado melhor”.

##RECOMENDA##

O objetivo da equipe Nautilus este ano é ficar entre as 15 melhores, repetir o resultado de melhor equipe da América Latina e buscar algum prêmio adicional, seja em termos de projeto ou apresentação. Miceli admitiu que é um desafio muito grande, porque o orçamento, frente aos concorrentes, é muito limitado. 

Apoio

Atualmente, a equipe não tem apoio financeiro, mas apenas suporte de peças e recursos computacionais, cedidos por empresas. A maior parte do apoio vem da Escola Politécnica; da Marinha, que cede o espaço para a realização de testes do robô; e dos próprios alunos que economizam para poder participar do evento. “Nossa luta é buscar patrocínio”, disse Miceli, que já está conversando com algumas empresas potenciais para financiar a iniciativa.

Somente os gastos com as inscrições na Robosub 2019, passagens, alimentação e hospedagem dos integrantes da Nautilus, além do pagamento de sobrepeso nos aeroportos devido ao tamanho do robô, chegam a R$ 80 mil. Miceli acrescentou que para manter o projeto ao longo do ano, incluindo compra de materiais, são necessários R$ 200 mil. O montante é inferior ao orçamento disponibilizado por algumas equipes estrangeiras, que atingem até US$ 200 mil.

Visando a participação em 2020, a Nautilus está adotando uma estratégia mais cautelosa este ano, para melhorar o que já foi conquistado e, no ano que vem, tentar uma estratégia mais inovadora e robusta, ressaltou o professor. 

Incentivo

O capitão da equipe Nautilus, Henrique Ferreira Júnior, aluno do 7º período de Engenharia de Controle e Automação da Poli-UFRJ, ressaltou que a Robosub é a maior competição de AUVs do mundo, e destina-se a incentivar o interesse de estudantes de engenharia no campo dos AUVs. Da equipe completa participam 40 estudantes de ambos os sexos de vários cursos da UFRJ, além de engenharia, mas apenas nove viajarão para os Estados Unidos, incluindo uma estudante.

Nos primeiros cinco dias da competição, ocorrem as etapas classificatórias e, no sábado (3), as semifinais. No domingo (4), dia de encerramento do concurso, acontece a grande final. No ano passado, a equipe vencedora recebeu prêmio no valor de US$ 7 mil.

A competição reuniu, em 2018, 50 equipes de 10 países. Este ano, foram efetivadas quase 60 inscrições. As provas apresentam desafios como lançamento de torpedos e manipulação física de objetos, que exigem que as partes mecânica, eletrônica e computacional do robô estejam funcionando em perfeita harmonia.

Na disputa de 2018, a Nautilus teve um problema com o Departamento de Segurança dos Estados Unidos devido ao tamanho do robô. Este ano, os estudantes vão levar as peças do robô separadas, que serão montadas no local da competição. 

Aplicações

Segundo o capitão da equipe Nautilus, que se forma engenheiro no final de 2020, são muitas as aplicações que um veículo submarino autônomo (AUV) pode ter na indústria, desde a área militar de desarmamento de minas submarinas, até a indústria de petróleo, para inspeção de dutos submarinos. “O AUV traz um ganho enorme”, afirmou. Os estudantes estudam a criação, depois de formados, de alguma empresa para desenvolvimento de projetos de AUVs.

 

Do pioneiro satélite soviético ao primeiro homem a pisar na lua há 50 anos, a seguir 10 datas-chave na exploração do espaço.

- 1957: Sputnik -

##RECOMENDA##

Em 4 de outubro, 1957, Moscou lançou o primeiro satélite artificial ao espaço, o Sputnik 1, dando início à corrida espacial.

A esfera de alumínio leva 98 minutos para orbitar a Terra e traz de volta a primeira mensagem do espaço, um simples "beep-beep-beep", proveniente de sinais de rádio.

Em 3 de novembro, o Sputnik 2 leva o primeiro ser vivo a orbitar totalmente a Terra, uma cachorrinha de rua chamada Laika. Ela morreu após poucas horas no espaço.

- 1961: Gagarin, primeiro homem -

Em 12 de abril, 1961, o cosmonauta soviético Yuri Gagarin torna-se o primeiro homem a chegar ao espaço, completando uma única órbita de 108 minutos.

Vinte e três dias depois, Alan Shepard é o primeiro americano no espaço, ao fazer uma viagem de 15 minutos no dia 5 de maio.

Os adversários da Guerra Fria só chegaram juntos ao espaço através de um terceiro país em 2003, quando a China levou Yang Liwei à bordo do Shenzou V.

- 1969: na Lua -

Em 21 de julho, 1969, o astronauta americano Neil Armstrong torna-se o primeiro homem a pisar na Lua, ao lado de seu colega Edwin Aldrin, que juntou-se à ele 20 minutos depois.

Entre 1969 e 1972, 12 astronautas - todos americanos - pisaram na Lua como parte do programa Apollo, da NASA.

- 1971: estação espacial -

Em 19 de abril de 1971, a União Soviética lança a primeira estação espacial orbital, a Salyut 1.

A construção da ainda operante Estação Espacial Internacional (ISS) começa em 1998. É a maior estrutura feita pelo ser humano no espaço, e orbita a Terra 16 vezes ao dia.

A ISS, na qual 16 países associados participam, assumiu o protagonismo das operações no espaço a partir do momento em que estação espacial russa Mir foi levada de volta à Terra em 2001 após ficar 15 anos em órbita.

- 1976: Marte -

Em 20 de julho de 1976, a espaçonave americana Viking 1 se torna a primeira a pousar em Marte com êxito, e proporcionou imagens do Planeta Vermelho.

O robô Opportunity explorou Marte entre 2004 e 2018, junto ao rover da NASA Curiosity Rover, ainda ativo no local.

Aproximadamente 40 missões foram enviadas à Marte e mais da metade falharam.

- 1981: ônibus espacial -

Em 12 de abril, 1981, o ônibus espacial americano Columbia, a primeira espaçonave reutilizável, faz sua primeira viagem.

É seguida pelo Challenger, Discovery, Atlantis e Endeavour, os quais serviram a ISS até o fim do programa, em 2011.

Os Estados Unidos têm, desde então, dependido da Rússia para transportar seus astronautas até a ISS.

Dois ônibus espaciais americanos foram destruídos em pleno voo, com a perda de 14 astronautas: Challenger, em 1986, e Columbia, em 2003.

- 1990: Hubble -

Em 25 de abril, 1990, Hubble é o primeiro telescópio espacial a ser colocado em órbita, a 547 quilômetros da Terra.

Com treze metros de comprimento, Hubble revoluciona a astronomia, permitindo aos cientistas observar planetas e estrelas mais distantes e até galáxias.

- 2001: turista espacial -

Em 28 de abril, 2001, o ítalo-americano multimilionário Dennis Tito, 60 anos, se torna o primeiro turista espacial do mundo. Pagou à Rússia 20 milhões de dólares para ficar na ISS por oito dias.

Ao todo, sete turistas espaciais foram levados em voos russos até a ISS.

- 2008: a privada SpaceX -

Em 29 de setembro, 2008, a companhia americana SpaceX é o primeiro empreendimento privado a lançar um foguete com êxito na órbita da Terra, o Falcon 1.

A nave de carga Dragon, da Space X, torna-se em 22 de maio de 2012 a primeira espaçonave comercial a visitar a ISS.

- 2014: pouso no cometa -

Em 12 de novembro, 2014, a Agência Espacial Europeia coloca um pequeno robô, o Philae, num cometa a mais de 500 quilômetros da Terra. Este primeiro artefato a pousar em um cometa é parte de uma missão que visa a explorar as origens do Sistema Solar.

O objeto feito pelo homem que está mais longe da Terra é a espaçonave americana não tripulada Voyager 1, lançada em setembro de 1977 e até hoje em viagem. Em agosto de 2012, chegou ao espaço interestelar, a aproximadamente 13 bilhões de milhas da Terra.

Em maio, alunos do Centro de Informática (CIn), da Universidade Federal de Pernambuco, estavam tentando conseguir recursos para viajar à Austrália e participar da RoboCup 2019 - competição de robótica internacional. Com um grupo chamado RobôCIn, a única equipe do Nordeste a participar da competição cruzou águas internacionais para conquistar, na última semana, o terceiro e o quarto lugar de duas das categorias que concorria. 

Os jovens, que fazem parte de um grupo de estudos e desenvolvimento em robótica do CIn da UFPE, ocuparam o terceiro e quarto lugar da RoboCup 2019. Eles competiram na série B da Small Size League, empatando com o time ULtron, do Canadá. Já na categoria Simulation 2D, o RobôCIn se estabeleceu como a melhor equipe nacional, ocupando o nono lugar do mundial de robótica.

##RECOMENDA##

O evento aconteceu em Sydney, entre os dias 2 e 8 de julho. A competição reúne robôs autônomos de todo o mundo e há mais de 20 anos tem como objetivo desenvolver, até a metade do século XXI, uma equipe de robôs humanóides autônomos capazes de ganhar uma partida de futebol contra a última equipe humana ganhadora da Copa do Mundo da FIFA.  

Espera-se que em 2030 os robôs ocupem mais de 20 milhões de empregos industriais em todo o mundo, agravando as desigualdades sociais e geográficas, mas impulsando a produção econômica geral, segundo um estudo recente.

A previsão, que será divulgada na quarta-feira (26), destaca as crescentes preocupações sobre a automatização e os robôs que, apesar de oferecer benefícios econômicos, estão eliminando de forma desproporcional empregos de baixa qualificação, agravando a situação social e econômica.

##RECOMENDA##

O estudo realizado pela Oxford Economics, uma empresa britânica privada de investigação e consultoria, detalhou que o deslocamento de empregos ocasionado pelo aumento dos robôs não se distribuirá uniformemente no mundo nem dentro dos países.

Os robôs já absorveram milhões de empregos industriais e agora estão tomando impulso nos serviços, ajudados por avanços em áreas como visão por computador, reconhecimento de voz e aprendizagem automática, destaca o estudo.

A Oxford Economics conclui que em regiões com menos qualificações a perda de empregos dobrará em relação a regiões com maiores qualificações, inclusive em um mesmo país.

A pesquisa chega em meio a um intenso debate sobre o aumento da tecnologia no mundo do trabalho e seu impacto no emprego, fenômeno que inclui os carros de condução autônoma, a preparação robótica de alimentos e as operações automatizadas de fábricas e armazéns.

Muitos analistas indicam que a automatização em geral impulsou uma maior criação de empregos do que destruiu, mas que nos últimos anos a tendência criou uma brecha de habilidades que deixa muitos trabalhadores sem emprego.

Os pesquisadores veem um "dividendo robótico" de cinco bilhões de dólares para a economia global para o ano 2030, por uma maior produtividade.

"Os trabalhos que requerem funções repetitivas são os mais afetados", escreveram os autores.

"Os trabalhos em entornos menos estruturados e que demandam compaixão, criatividade ou inteligência social provavelmente serão realizados pelos humanos nas próximas décadas".

Nem sempre há a disposição tomadas em ambientes públicos para recarregar celulares, por exemplo. Foi pensando nisso que estudantes de Engenharia de Produção e Civil, junto com os do curso de Arquitetura e Urbanismo, da Unama – Universidade da Amazônia, montaram “árvores sintéticas” que geram energia elétrica a partir de placas solares. Eles montaram quatro unidades, que vão ser implementadas no campus Alcindo Cacela, em Belém.

A estrutura consiste em “folhas” com painéis fotovoltaicos e “caule” adaptado com tomadas tipo USB. Durante o dia, essa energia recebida é dissipada para as extremidades dos “galhos” e segue pelo “caule”, onde os usuários podem conectar seus dispositivos. O excedente é armazenado em baterias para que os interessados possam recarregar os aparelhos móveis – que incluem tablets e notebooks – a qualquer hora do dia. O tempo de recarga fica em torno de uma hora e meia e cada exemplar pode receber dois aparelhos ao mesmo tempo.

##RECOMENDA##

O projeto sustentável foi pensado com o objetivo de aplicar os conhecimentos de elétrica e física para o desenvolvimento de uma energia limpa e barata, além de mostrar as dificuldades de se produzir um equipamento do tipo de grande porte. Os protótipos foram criados a partir de materiais recicláveis como tubo de PVC, garrafa PET, sobras de cabos elétricos e luminárias LED consideradas “queimadas”, caixotes de madeira, bambu e plástico de proteção das telas dos televisores de LED.

A iniciativa surgiu após experimentos do professor de Engenharia de Produção, Carlos Rolim, com materiais descartados ou com pouco uso. “Já tínhamos ótimos resultados e pensamos em repassar para os alunos. O projeto durou em torno de um semestre, mas, nos dois últimos meses, eles tiveram a responsabilidade de conseguir os materiais. A montagem foi rápida, em torno de uma semana, e cada árvore custou cerca de R$350 para ser fabricada. Valor baixo, perto do rendimento e durabilidade do equipamento”, disse o professor.

Para o coordenador das Engenharias da universidade, Afonso Lelis, essas inovações agregam valor para além da academia. “Em primeiro lugar, a ‘árvore’ possibilita trazer conhecimento para o aluno. Mostrar que a universidade faz sim produtos na graduação que podem ser comercializados e contribuem para um mundo melhor. Não ficamos somente na publicação de artigos”, afirma o gestor.

A árvore sintética sustentável está em fase de readequações para as áreas externas da Instituição. O projeto já está inscrito em competições nacionais.

*por Rayanne Bulhões, assessoria de imprensa

Em uma sociedade que, cada vez mais, se volta ao redor das inovações tecnológicas, seja esperando novos smartphones, computadores ou gadgets de última geração, muitas vezes esquecemos de pensar para onde vão esses objetos quando não nos servem mais. Funcionando há cerca de 10 anos, no bairro de Dois Irmãos, Zona Norte do Recife, o Centro de Recondicionamento de Computadores (CRC) recupera eletrônicos que seriam jogados no lixo e os transforma em objetos prontos para voltar ao uso.

Aqui, o velho é sinônimo de inovação. Através de doações de empresas e até pessoas físicas, o centro coleta materiais que servirão de base para um projeto integrador socioambiental e socioassistencial. O que viraria lixo se transforma em matéria prima para oficinas de meta-arte, cursos de robótica, workshops, entre outros. Todos oferecidos para jovens de escolas públicas ou de baixa renda, entre 14 e 29 anos.

##RECOMENDA##

No espaço, é possível encontrar toda a sorte de objetos, desde computadores novos até videocassetes, câmeras digitais e celulares da era pré-smartphones. O coordenador de inovação do projeto, Dailton Ferreira, explica que todo o processo é feito por meio de triagem. “Os computadores chegam aqui por meio de doações. Eles são registrados, pesados e vão para uma sala em que são separados por tipo e marca. Depois vão para as mãos do técnico no laboratório de mono refaturamento para separar o que vai para doações”, conta.

[@#galeria#@]

O que não é doado também não é descartado pelo centro. Cerca de 500 jovens são formados anualmente pelo CRC, através de cursos gratuitos que utilizam computadores, celulares e peças eletrônicas para criar desde brincos até robôs. Um dos protótipos desenvolvidos no espaço é uma bengala para pessoas que possuem deficiências visuais. Com um sensor, o objeto avisa, com um bip, quando há obstáculos no caminho.

As invenções dos alunos são colocadas em um arquivo, catalogadas, e esperam possíveis interessados para, quem sabe, melhorar a vida de outras pessoas. “A gente tem muitas ideias, mas não tem quem leve adiante. Cria-se aqui, morre aqui”, lamenta o coordenador. Para doar eletrônicos basta ir até o local ou - no caso de empresas que tenham muitos materiais - solicitar que sejam recolhidos pelo centro.

[@#video#@]

CRC

Endereço Av. da Recuperação, 318 - Dois Irmãos - Recife

Telefone: (81) 9.9521-8500

Email: contato@crcrecife.org

Na última sexta-feira (31), a NASA anunciou a seleção de três empresas comerciais para enviar a primeira rodada de plataformas robóticas à Lua. O objetivo é estudar a superfície lunar para ajudar a adaptar os astronautas ao satélite terrestre. As três empresas escolhidas são as norte-americanas Astrobotic, Orbit Beyond e Intuitive Machines. 

Elas devem desenvolver espaçonaves pequenas que possam transportar de forma segura cargas úteis e instrumentos da NASA. Elas aeronaves espaciais devem levantar voo em 2020 e 2021.

##RECOMENDA##

Apesar de não haver tripulantes as espaçonaves devem ajudar o projeto Artemis da Nasa. que busca enviar a primeira mulher e o próximo homem à superfície lunar. Em novembro, a NASA selecionou nove empresas para participar do programa  de Serviços de Carga Lunar Comercial (CLPS), da qual o Artemis faz parte. As empresas anunciadas são apenas as primeiras que devem ser selecionadas para dar continuidade ao projeto.

A Orbit Beyond afirma que lançará seu lander - temporariamente chamado Z01 - em cima de um SpaceX Falcon 9, carregando até quatro cargas já em setembro de 2020. As outras, Astrobotic e Intuitive Machines,  devem fazer seus lançamentos entre junho e julho de 2021.

As companhias deverão construir suas bases de aterrissagem, anexar os instrumentos, fazer com que os veículos sejam lançados em foguetes, operar a espaçonave no espaço e entregar o equipamento na Lua em uma única viagem. A iniciativa é semelhante ao Programa de Tripulação Comercial da NASA, que dá às empresas privadas mais controle sobre suas missões e espaçonaves.

A Ford, empresa montadora de veículos, parece estar focando em trazer soluções futuristas para as próximas gerações. Depois de criar um carrinho de supermercado com sistema de freio automático, a empresa agora resolveu revelar um robô humanoide capaz de fazer entregas sozinho.

Criado pela Agility Robotics, “Digit”, como é chamada a novidade, foi pensado para trabalhar em conjunto com os veículos autônomos da Ford. Sua forma se aproxima bastante de um ser humano, com braços e pernas e ele é capaz de levantar pacotes de até 18 kg, o que facilitaria na hora de fazer pequenas entregas a domicílio.

##RECOMENDA##

Ele seria transportado por um veículo autônomo, dobrando-se automaticamente para caber na traseira do carro, entrando em ação apenas quando chega ao seu destino. A empresa de veículos divulgou um vídeo em que o robô desce do carro e realiza a entrega sem precisar de ajuda.

[@#video#@]

Além de carregar os pacotes, o robô também consegue subir e descer escadas, andar em terrenos irregulares e até sofrer esbarrões sem perder o equilíbrio. Para que isso seja possível, além de câmeras e sensor óptico LiDAR, o android também usa o sistema de sensores e computação do veículo.

LeiaJá também

--> Alunos do RoboCin fazem vaquinha para ir à Austrália

Dezesseis mil quilômetros. Essa é a distância aproximada que separa 12 jovens, alunos do Centro de Informática (CIn) da UFPE, de realizar o sonho de serem campeões na maior competição de robôs autônomos do mundo, a RoboCup. Composta por estudantes de diversas áreas de engenharia, a equipe faz parte do projeto RobôCIn e precisa de doações para representar o Brasil do outro lado do globo, na Austrália.

Apesar de serem a única equipe do Nordeste classificada para participar da competição, os jovens ainda correm risco de não conseguirem participar por causa dos custos da viagem. Passagens aéreas, hospedagem, alimentação, estão entre as maiores despesas que precisam ser arcadas, durante oito dias, pelos alunos. Para tentar transpor este obstáculo os estudantes criaram uma vaquinha virtual e correm contra o relógio para angariar cerca de R$ 60 mil reais e entrar na disputa pelo primeiro lugar do torneio.

##RECOMENDA##

Futebol: paixão também na robótica

Os robôs que vão à disputa não são exatamente os do imaginário criado pelo cinema. Nada de formas humanóides, com braços e corpos parecidos com os nossos. Eles são cilindros com rodas, que podem se mover em todas as direções e devem ser previamente programados para jogar, com códigos complexos e movimentos captados por câmeras. Lembra um xadrez diferente, onde o pequeno objeto é a Rainha, pronta para dar um xeque-mate no adversário.

Mas, longe do tabuleiro e com uma complexidade diferente do xadrez, as máquinas vão a campo competir de uma forma até bem brasileira: jogando futebol. Os times são formados por seis robôs, mais dois reservas, cada um representando uma função típica dos grupos de futebol tradicionais. Zagueiros, atacantes e meios de campo correm sobre rodas atrás de uma pequena bola, que deve ser capaz de entrar na barra dos adversários.

"A gente está fazendo um trabalho muito bom e temos uma expectativa de ficar entre as melhores (equipes) da série B. Esperamos ficar no pódio", afirma o estudante Lucas Cavalcanti, um dos participantes do projeto RoboCin. “Começamos em categorias simples, para ganhar experiência. Mas o foco sempre foi ir para as maiores competições, chegar a um (torneio) internacional", afirma.

Corrida contra o relógio

O tique-taque do relógio é um aviso quase cruel de que o sonho dos jovens pode não ser concretizado. Em um cenário em que verbas para o ensino superior estão cada vez menores os alunos da Universidade Federal de Pernambuco conseguiram pouco mais de 24% do valor, insuficiente para levar os 12 estudantes.

O prazo para conseguir o valor total do projeto encerra dia 31 de maio, depois disso, eles esperam estar com as passagens em mãos para o torneio. "O sonho da gente sempre foi trabalhar com robótica. Não adianta de nada a gente ter trabalhado desde 2015 na equipe e quando chegamos no objetivo, não conseguirmos representar o nosso país na competição", lamenta o estudante. Quem tiver interesse em apoiar o projeto devem acessar http://bit.ly/robocin e realizar uma doação de, no mínimo, R$ 25.

[@#galeria#@]

O Brasil foi reconhecido no principal campeonato mundial de robótica, encerrado no último sábado (20), em Houston, Texas, nos Estados Unidos.

O País ficou em primeiro lugar nas categorias de design mecânico de robô e em segundo lugar em estratégia e inovação. Das dez equipes brasileiras que viajaram a Houston, cinco foram premiadas.

##RECOMENDA##

Na First Robotics Competition (FRC), voltada a jovens de 14 a 18 anos, duas equipes levaram o "Rookie All Star", premiação máxima concedida aos iniciantes na disputa. A Robonáticos #7565 e a Octopus #7567, ambas do Sesi/Senai de São Paulo, foram as premiadas.

Design. Na First Lego League (FLL), para alunos de 9 a 16 anos, a equipe Red Rabbit, da escola Sesi de Americana (SP), foi reconhecida por ter o melhor design entre as 108 equipes que participaram da FLL no mundial de Houston.

Nesta categoria, os juízes avaliam a estrutura do robô desenvolvido pelos competidores e os conceitos de engenharia utilizados.

A Jedi’s (de Jundiaí/SP) ainda conquistou a segunda posição em estratégia e inovação.

Ainda na FLL, a Techmaker (do Sesi de Blumenau/SC) recebeu o primeiro lugar em Gracious Professionalism, categoria que avalia o cumprimento das metas do torneio, entre elas o compartilhamento de informações, simpatia e profissionalismo dos participantes.

Na categoria FirstTech Challenge (FTC), a equipe Geartech Canaã (do Sesi de Goiânia) foi uma das seis finalistas no prêmio motivação.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Alunos da rede pública ou particular, cursando ensino fundamental, médio ou técnico, podem se inscrever na Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) até o dia 17 de maio pelo www.obr.org.br. A competição acontece desde 2007 e tem estimulado jovens às carreiras científico-tecnológicas. Os vencedores da edição 2019 serão os representantes brasileiros no mundial RoboCup 2020 em Bordeaux, na França.

Quem está no clima da RoboCup 2019, que acontece na Austrália, é a equipe de alunos do Colégio Objetivo, no centro de São Paulo. Os jovens Danilo Di Fabio Bueno, Filipi Enzo Siqueira Kikuchi e Matheus Vital Bertollo criaram o Robô Brain sob a orientação do professor Almir Brandão Junior e, com a protótipo, ganharam a OBR 2018.

##RECOMENDA##

"Os alunos da equipe Robô Brain estão em preparação intensa desde que voltaram da fase nacional da OBR, em João Pessoa (PB). O trabalho é intenso, a dedicação é ainda maior. Abre-se mão da família, do lazer, dos finais de semana, procurando fazer o melhor robô possível para representar o colégio e o Brasil na RoboCup 2019", conta o professor Junior.

Os alunos Bueno e Kikuchi já participam da OBR desde 2016 e, para eles, a experiência dos anos anteriores contou bastante para que conseguissem chegar até a final da competição em 2018. "A OBR é difícil, tem um número grande de equipes, principalmente em São Paulo, onde os grupos tem um nível elevado de conhecimento. Então, para conseguir ganhar precisamos ficar atentos na criação do robô e ter estratégias", conta Bueno.

Na modalidade prática, uma das etapas da competição, os alunos devem cumprir um desafio. Em grupos de até quatro competidores, eles devem considerar a simulação de um desastre natural para construir um robô autônomo, ou seja, sem controle remoto, capaz de navegar por um terreno acidentado, localizar vítimas e resgatá-las - e o projeto Robo Brian se saiu muito bem na prova. "Foi uma sensação muito boa, foi a primeira vez que ganhamos em 1º lugar na OBR e não é pra qualquer um. É algo muito intenso. Ter um bom desempenho em todas as etapas e ganhar, é genial", afirma Kikuchi.

O aluno Bertollo, que participou pela primeira vez da competição em 2018, diz que a equipe vem se preparando bastante para a RoboCup 2019. "Estamos progredindo bastante com o robô. A cada dia, ele está mais preparado. Nossos prazos estão dentro do previsto, assim como nossas expectativas para o mundial na Austrália que vem por aí", finaliza Bertollo.

As provas teóricas acontecem nos dias 7 de junho e 23 de agosto, já as etapas regionais e estaduais da modalidade prática acontecem entre junho e setembro. A etapa nacional será realizada em Rio Grande (RS), de 22 a 26 de outubro.

Pela primeira vez no mundo, especialistas implantaram, de modo permanente, uma prótese para mão sensível ao toque e que reconhece objetos, semelhante a natural, em uma sueca de 45 anos de idade.

A intervenção cirúrgica foi realizada no Hospital Universitário Sahlgrenska, em Gotemburgo, pelos especialistas Richard Brenemark e Paolo Sassu. A expectativa é de que em poucas semanas a paciente possa usar a "mão biônica" diariamente.

##RECOMENDA##

O equipamento foi desenvolvido graças ao projeto europeu "DeTOP", liderado por Christian Cipriani, da Escola Superior Sant'Anna de Pisa, na Itália, que conta com a ajuda de especialistas do Politécnico de Lausanne, na Suíça, além de pesquisadores da Universidade de Freiburg, na Alemanha.

A mulher, que teve sua mão amputada em 2002, participa de um programa de reabilitação, para recuperar a força nos músculos do antebraço, e de realidade virtual, para aprender a controlar a mão robótica.

"Graças a esta interface homem-máquina tão precisa e graças à habilidade e sensibilidade da mão artificial, nós esperamos que a alguns meses a mulher reconquiste funcionalidades motoras e perceptivas muito semelhantes as de uma mão natural", observou Cipriani.

Nos ossos do antebraço da mulher foram implantadas estruturas de titânio como uma ponte entre os ossos e as terminações nervosas de um lado e a mão robótica do outro.

Graças a 16 eletrodos inseridos nos músculos, foi possível estabelecer uma ligação direta entre a prótese e o sistema nervoso. Desta forma, a mão robótica pode ser controlada de uma forma mais eficiente, além de permitir restaurar o sentido do tato.

O projeto do implante foi financiado pela Comissão Europeia no âmbito do programa Horizonte 2020. As universidades suecas de Lund e Gotemburgo, a britânica de Essex, o Centro Suíço para Eletrônica e Microtecnologia, a Universidade Campus Bio também estão participando do projeto.

Além delas, há a contribuição da Universidade Biomédica de Roma, o Centro de Prótese do Instituto Nacional de Seguro contra Acidentes de Trabalho (Inail) e do Instituto Ortopédico Rizzoli de Bolonha.

Segundo Cipriani, o grupo já está trabalhando para realizar outras duas intervenções similares na Itália e na Suécia.

Da Ansa

A Sony está lançando um modelo de seu cão robô aibo agora equipado com câmeras, inteligência artificial e acesso à internet, para acompanhar remotamente membros da família, crianças ou mesmo animais de estimação, disse a gigante japonesa da eletrônica nesta quarta-feira.

O robô de 30 centímetros com olhos de LED vai andar pela casa em horários pré-designados à procura de membros da família.

##RECOMENDA##

O novo robô não é barato: custa cerca de US$ 3.000 para um pacote de três anos, incluindo serviços de software, como armazenamento de dados.

O proprietário receberá relatórios de progresso via smartphone no serviço, oferecido a partir do próximo mês em conjunto com a empresa de segurança residencial Secom.

"Você poderá verificar como os membros da família sem mobilidade estão ou o que as crianças estão fazendo quando chegam em casa", disse Izumi Kawanishi, chefe do projeto, a repórteres na sede da Sony em Tóquio.

"Nosso objetivo é fazer com que você se sinta um pouco mais seguro vivendo com aibo e se divertindo", acrescentou Kawanishi.

O robô também será capaz de cuidar de animais de estimação reais no futuro, graças ao reconhecimento de imagens e capacidades de aprendizagem, disse.

O último modelo do aibo, que também pode exibir "emoções", foi lançado em janeiro do ano passado e as vendas atingiram 20 mil unidades nos primeiros seis meses, de acordo com a Sony.

Na era da Internet das Coisas e enfrentando o rápido envelhecimento da população, o Japão habilitou panelas de arroz, panelas elétricas e outros dispositivos domésticos para monitorar os idosos que vivem sozinhos.

Eles transmitem dados de quantas vezes foram usados para as famílias que moram longe. Se não foram usados há algum tempo, isso poderia ser um sinal negativo.

Um robô de entrega de comida foi destruído depois que pegou fogo por causa de um erro humano, confirmou seu criador. Os robôs autônomos de entrega da Kiwi empresa estão circulando pelo campus da Universidade da Califórnia, em Berkeley, há dois anos. Na última semana, os estudantes encontraram um deles em chamas e compartilharam fotos nas redes sociais.

A empresa responsável pelo robôs disse que a causa do incidente foi uma bateria defeituosa que foi instalada acidentalmente. A boa notícia é que populares agiram rapidamente para para extinguir as chamas usando um extintor de incêndio e ninguém ficou ferido.

##RECOMENDA##

Depois de descobrir o incêndio na Califórnia, a empresa Kiwi suspendeu todos os seus veículos e entregou os pedidos de comida à mão. A empresa disse que iria introduzir medidas para garantir que o problema não acontecesse novamente, incluindo um software personalizado que irá monitorar rigorosamente o estado de cada bateria. 

Os robôs da Kiwi passam o dia entregando comida de restaurantes localizados no entorno da universidade. Os usuários do serviço pedem a comida através de um aplicativo. Eles dirigem sozinhos graças a um conjunto de câmeras e softwares com mapas de alta precisão.

LeiaJá também

--> Hotel brasileiro usa robô para atender hóspedes

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando