Tecnologia

| Mercado

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determinou na última quinta-feira (13) a criação de uma lista nacional e única de consumidores que não querem receber ofertas via telemarketing. A medida vale para as empresas Algar, Claro/Net, Nextel, Oi, Sercomtel, Sky, TIM e Vivo, que terão 30 dias para implementar a exigência.

Além de criar a lista, as empresas deverão, no mesmo prazo, criar e divulgar um canal que o consumidor possa acessar para receber ou não as ligações. A medida inclui serviços de telefonia, TV por assinatura e internet. Quem colocar o nome na lista não poderá mais receber as ofertas.

##RECOMENDA##

Em março deste ano, as operadoras já haviam se comprometido a implementar, até setembro, um código de conduta e mecanismos de autorregulação das práticas de telemarketing. A Anatel também determinou a criação de medidas para combater os incômodos gerados por ligações mudas e feitas por robôs, inclusive as realizadas por empresas que não reguladas pelo órgão.

LeiaJá também

--> China concede quatro licenças 5G

--> Vazou! Confira os ataques hackers mais famosos da história

--> Anatel chama população para discutir sobre de antenas 5G

A startup pernambucana InLoco, anunciará hoje um novo aporte de US$ 20 milhões, liderado pelo fundo norte-americano Valor Capital e pelo brasileiro Unbox Capital. Dona de um serviço de geolocalização que traça perfis de consumo de usuários de smartphones para empresas, a InLoco tem cerca de 400 clientes no Brasil. Com os novos recursos, a startup pretende expandir sua atuação no País e iniciar operações nos EUA.

A empresa quer ainda abrir pelo menos cem vagas este ano, ampliando a equipe atual de 180 funcionários. "Nosso produto atingiu maturidade e identificamos que era hora de acelerar o crescimento", diz André Ferraz, presidente executivo da empresa.

##RECOMENDA##

Fundada em 2014, após nascer como trabalho de graduação na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a InLoco usa hoje sua tecnologia para auxiliar empresas a direcionarem anúncios pela internet. Para isso, clientes como Grupo Boticário, Hyundai e OLX acoplam o software feito pela pernambucana em seus aplicativos.

A partir dos dados de localização dos usuários, uma marca de cosméticos pode direcionar propagandas para quem esteve recentemente em um salão de beleza. A tecnologia permite também que a localização atual do usuário seja usada como comprovante de residência em cadastros.

Rumo aos EUA. O primeiro passo da expansão para os EUA é a abertura de um escritório em Nova York, a fim de sondar o mercado. Para isso, a empresa tem um aliado: líder desta rodada, o Valor Capital trabalha há tempos com empresas brasileiras. O fundo já ajudou a firma de pagamentos Stone a abrir capital em Nova York e a Gympass, uma espécie de "Netflix das academias", a chegar a 14 países.

Para Michael Nicklas, sócio do fundo americano, a tecnologia da InLoco tem enorme potencial a longo prazo em outros mercados, especialmente considerando a "internet das coisas" - nome dado à revolução que vai conectar todos os objetos à nossa volta. "A precisão da geolocalização da InLoco será um diferencial no cenário de internet das coisas", diz. "Poderá servir, por exemplo, que um aparelho de ar-condicionado seja ligado ao se identificar que um smartphone 'entrou' numa sala."

Para David Kallás, coordenador do Centro de Estudos em Negócios do Insper, ir para o exterior é natural, mas será um desafio. "Negócios que dependem da coleta de dados precisam que muitas pessoas o utilizem", afirma. "Por outro lado, é um negócio que precisa de volume para funcionar, então não deve haver muitos competidores."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abriu uma apuração para investigar supostas práticas anticompetitivas relacionadas ao sistema operacional Android, de propriedade do Google. O processo é ainda uma fase inicial, denominada “procedimento preparatório”, cuja apuração pode resultar em uma investigação mais robusta.

O Cade questiona o Google acerca de práticas adotada pela empresa consideradas anticompetitivas pela Comissão Europeia em processo com decisão divulgada em julho do ano passado. A Comissão multou o Google em 4,34 bilhões de euros (R$ 18,8 bilhões). O Conselho quer saber se essas práticas também violaram a ordem econômica no Brasil e prejudicaram consumidores daqui.

##RECOMENDA##

Segundo a apuração da Comissão Europeia, desde 2011 o Google impôs restrições a fabricantes de smartphones que usam o sistema operacional Android e a operadoras de telecomunicações para “consolidar sua posição dominante em buscas na internet”. A empresa utilizou o sistema operacional para direcionar os usuários a utilizarem o seu mecanismo de busca, de mesmo nome (o Google Buscas).

Entre as práticas analisadas pela investigação e consideradas anticompetitivas estão a obrigação de pré-instalar a aplicação de buscas e o navegador da companhia (Google Busca e Chrome) e o pagamento para fabricantes e operadoras com vistas a garantir essa pré-instalação. Além disso, proibiu que fabricantes vendessem aparelhos com versões do Android não autorizadas pela empresa.

O Android se tornou o maior sistema operacional do mundo, ultrapassando o Windows, da Microsoft. Quando considerado o mercado de dispositivos móveis, ele chegou a uma participação de 88% em 2018, segundo a consultoria de estatísticas Statista.

Google

A assessoria de comunicação do Google disse à Agência Brasil que “o Android permitiu a conexão de milhões de brasileiros à internet, ao tornar os celulares mais acessíveis e acelerar sua popularização. Vamos trabalhar com o Cade para demonstrar como o Android permitiu que o mercado brasileiro se tornasse mais competitivo e inovador, e não o contrário.”

Na época da multa aplicada pela Comissão Europeia, o Google publicou uma nota em seu blog afirmando que o Android “criou mais escolhas, não menos”. A empresa argumentou que o Android compete com o sistema operacional iOS e é comercializado em 1.300 marcas e 24 mil dispositivos de diferentes preços.

“A decisão também não considera a ampla gama de opções que o Android oferece para milhares de fabricantes de celulares e operadoras móveis, que criam e vendem dispositivos Android para os milhões de desenvolvedores de aplicativos ao redor do mundo, que construíram seus negócios com o Android, e bilhões de consumidores que agora podem comprar e usar smartphones de última geração”, disse o Google no comunicado.

 

Deputados republicanos e democratas sugeriram ontem que pode ser necessário alterar a legislação atual para a indústria de notícia dos EUA à medida que os congressistas iniciaram uma investigação bipartidária sobre o domínio do mercado das empresas do Vale do Silício. Em uma audiência do Comitê Judiciário da Câmara dos Representantes, associações de mídia acusaram as empresas gigantes de tecnologia de colocar em risco a sobrevivência econômica da indústria de notícias, colocando conteúdo noticioso em suas plataformas sem compensação financeira.

"Esta é a primeira investigação antitruste significativa realizada pelo Congresso em décadas", disse o deputado democrata David Cicilline, que comanda a comissão, no início da audiência. Ele falou sobre as grandes demissões no setor de notícias nos últimos anos e disse que a posição dominante das plataformas online no mercado publicitário "criou uma catástrofe econômica para os editores de notícias, forçando-os a reduzir seus investimentos em jornalismo de qualidade".

##RECOMENDA##

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A partir deste mês de junho, clientes do banco Itaú poderão comprar dólares e euros pelo aplicativo da empresa. O serviço está disponível 24 horas por dia, inclusive aos finais de semana.

Quem precisar comprar as moedas estrangeiras consegue garantir a taxa de câmbio do momento e pode retirar as notas em até cinco dias úteis, de acordo com o horário de funcionamento da agência escolhida.

##RECOMENDA##

O serviço não cobra tarifas e o cliente do banco também terá condições melhores na taxa de câmbio para comprar pelo celular. O usuário também será avisado com alertas no aplicativo ou via SMS para lembrá-lo do prazo de retirada da moeda na agência.

Na próxima terça-feira (11), a operadora Vivo promove um workshop para quem quer aprender tecnologia para planejar, economizar e investir, chamado “Tecnologia e Planejamento Financeiro”. O evento, acontece às 19h, na loja da Vivo no Shopping Recife, e será conduzido por Mariana Libonati, diretora de Comunicação e Consumo da ONG Meu Propósito.

Na conversa, Mariana Libonati, vai dar dicas de como usar a tecnologia a seu favor e fazer dela mola propulsora para realizar e executar um planejamento financeiro eficiente. Ela falará sobre educação e organização financeira, e a utilização de apps para auxiliar a trazer resultados mais efetivos nos negócios e vida pessoal.

##RECOMENDA##

O evento é aberto ao público e as inscrições são gratuitas, mas devem ser feitas pelo site ou diretamente na loja da operadora.

Serviço

Acontece na Vivo apresenta workshop sobre “Tecnologia e Planejamento Financeiro”

Palestrante: Mariana Libonati, Mestre em consumo e Diretora de Comunicação e Consumo da ONG Meu Consumo  

Datas: 11/06/19

Horário: 19h

Local: Loja Vivo – Shopping Recife, piso Térreo

A HMD Global anunciou na última quinta-feira (6) o lançamento do novo Nokia 2.2. O smartphone é considerado o aparelho com Android One mais barato do mercado, deve chegar às prateleiras custando cerca de 99 euros, aproximadamente R$ 430. Com a vantagem do software a novidade da Nokia roda o Android 9 Pie, o que garante as atualizações do Google por - pelo menos - dois anos.

Para quem ficou interessado por conta do preço e do software, o aparelho vem com tela de 5,71 polegadas, além do processador MediaTek Helio A22 quad-core, 2 GB ou 3 GB de memória RAM, capacidade de armazenamento de 16 GB ou 32 GB, expansível até 400 MB via microSD. A câmera também não deve decepcionar, sendo a câmera traseira de 13 MP e frontal de 5 MP - com a promessa de funcionar bem em ambientes de pouca luz.

##RECOMENDA##

Apesar de não haver um leitor de digitais, algo que tem se tornado comum na maioria dos smartphones do mercado, a empresa tenta compensar com o desbloqueio facial 2D, na câmera frontal, para dar a sensação de segurança ao usuário.

LeiaJá também

--> Apple apresenta iOS 13 com modo escuro em todo software

--> Xiaomi abre loja física em SP e atrai milhares de fãs

--> Motorola One Vision chega ao mercado brasileiro

O Google e o Facebook dominaram 60% dos anúncios online nos Estados Unidos no ano passado, revelou estudo da PwC divulgado ontem. Segundo a consultoria, a participação das empresas cresceu cerca de 3%, graças a maior investimento em anúncios em vídeo - setor no qual o YouTube, do Google, e o Watch, do Facebook, foram destaques.

Ao todo, a indústria de publicidade digital dos Estados Unidos atingiu US$ 107 bilhões no ano passado - segundo a estimativa da consultoria, o número deve atingir US$ 160 bilhões até 2023. Maior varejista online dos EUA, a Amazon conseguiu ganhar terreno no último ano, embora também tenha participação de mercado abaixo de 10%, segundo a PWC.

##RECOMENDA##

Os números surgem na semana em que Google e Facebook estão sob a mira de reguladores e legisladores americanos, que investigam se as empresas praticam monopólio ou concorrência desleal. Apple e Amazon também estão entre as possíveis investigadas.

Multa. Ontem, o Google anunciou que vai recorrer de uma multa de € 1,5 bilhão imposta pela União Europeia à empresa em março. Segundo o bloco, o Google foi punido por abusar de sua posição dominante no mercado para forçar sites de terceiros a usarem seu serviço de publicidade Google AdSense, que coloca e administra anúncios em páginas na web. É a terceira multa aplicada pela UE à empresa nos últimos anos; somadas, elas atingem o valor de US$ 9,3 bilhões.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Porto Digital vai promover um evento totalmente voltado para expressão e empreendedorismo LGBTI+. A iniciativa busca ampliar a visão de um público que, muitas vezes, não encontra espaço no mercado tradicional e vive uma luta diária contra preconceitos. Serão realizados workshops, palestras, debates, oficinas, exposições e apresentações culturais, inclusive atividades voltadas para tecnologia.

Será possível participar das iniciativas Hackabee e  Mind The Bee. O primeiro é um workshop baseado na metodologia de design sprint, que fará com que os participantes entendam como é possível tirar projetos do papel, com as próprias mãos, através de processos de design. Já o Mind the Bee é baseado no Mind The Bizz, um programa sobre empreendedorismo, do próprio Porto Digital.

##RECOMENDA##

Para o Mind the Bee serão selecionados participantes LGBTI+ previamente inscritos, que possuam algum projeto na área de tecnologia ou economia criativa, para conectar com mentores e consultores dos eixos do evento.

As atividades serão realizadas no Apolo 235, no bairro do Recife, de 28 a 30 de junho. As inscrições gratuitas  e estarão abertas a partir do dia 18 de junho na plataforma do Sympla.

Os líderes das gigantes de tecnologia terão de testemunhar no Congresso dos EUA, como parte de uma investigação se as empresas abusam de seu poder massivo de mercado, disse ontem o chefe do comitê da Câmara dos Deputados americana que lidera o inquérito.

A declaração surge um dia após fontes afirmarem que o Poder Executivo dos EUA está se preparando para uma investigação sobre Apple, Amazon, Google e Facebook. Se confirmado, será um inquérito amplo e sem precedentes em quatro das cinco maiores empresas do mundo.

##RECOMENDA##

A investigação do poder legislativo foi iniciada na segunda-feira, com republicanos e democratas levantando preocupações sobre o poder exercido pelas empresas. "Será necessário que alguns líderes das empresas de tecnologia participem dessa conversa", disse David Cicilline, deputado democrata. "Espero que alguns deles testemunhem perante o comitê ou sejam entrevistados como parte da investigação."

Rebatida. Ontem, o presidente executivo da Apple Tim Cook, também comentou o caso. Ele negou que seja praticante de monopólio, dizendo que o iPhone controla apenas uma parte do mercado, mas não grande o suficiente para essa medida. "É justo que passemos por escrutínio", disse ele, em entrevista à emissora CBS News. "Mas não acho que seja razoável a conclusão de que a Apple é um monopólio."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Começou nesta segunda-feira (3) a Apple Worldwide Developers Conference (WWDC) 2019, o evento de desenvolvedores da Apple. Para os fãs da maçã, um dos painéis mais esperados era, com certeza, o que apresentava as novidades do iOS 13. E a empresa não desapontou nas novidades.

Modo escuro em todo o software

##RECOMENDA##

Logo no começo do painel Craig Federighi, vice-presidente sênior de engenharia de software da Apple, apresentou o “Dark mode” ou, modo escuro do iOS 13. O design com as cores invertidas deve fazer com que a bateria dos telefones da Apple tenham uma vida ainda mais duradoura. Não há um aplicativo que não seja compatível com a novidade. Até mesmo as notificações aparecem com as cores invertidas.

[@#video#@]

Mais velocidade

Além do modo que está dominando todos os sistemas operacionais e aplicativos do momento, o engenheiro também anunciou melhorias no desempenho do smartphone.  Face ID 30% mais rápido, mais velocidade em downloads e updates, sugestões de compartilhamento com quem aparece nas fotos e muito mais. O teclado padrão também está atualizado com uma função de deslizamento.

Um novo Maps vem por aí

Parece que a Apple aceitou as provocações do Google e está trabalhando em um novo mapa - mais detalhado, que deve começar a funcionar em breve. A maçã já havia começado a mapear todo o Canadá durante o mês de maio e agora começa a se expandir pelos Estados Unidos. O mapa que foi apresentado tem uma construção 3D, com a possibilidade de criar listas de favoritos, explorar as ruas usando realidade virtual, com pontos nos lugares onde há estabelecimentos comerciais.

Muitas novidades devem continuar aparecendo até o dia 7 de junho, quando termina o evento.

Toda semana há um novo rumor sobre o que será apresentado na Apple Worldwide Developers Conference (WWDC) 2019. Desde a quantidade de câmeras no iPhone XI a tela inicial renovada, até aplicativos, Apple Arcade, entre outros. Porém, o que realmente podemos esperar da conferência de desenvolvedores da maçã? Para ajudar você a saber um pouco do que vai rolar na WWDC 2019, separamos alguns dos principais rumores que devem ser revelados em junho.

As novidades do iOs 13

##RECOMENDA##

Não há nada muito inovador para esperar sobre o sistema operacional da Apple, mas ainda assim a expectativa é grande. Entre as novidades que podem ser apresentadas tanto para iPhones, quanto para iPads está o modo escuro. A ferramenta vem se fazendo cada vez mais presente em aplicativos e com certeza na maçã não será diferente.

Para quem ainda não utilizou, o “dark mode” muda as cores dos aplicativos para uma paleta em preto. Dessa forma ele ajuda a preservar a vida útil da bateria em telas OLED e a receber uma luz com menos intensidade em ambientes escuros. Quem sabe eles também apresentem uma mudança na tela, uma forma de reordenar os aplicativos.

Outra coisa que pode ser anunciada é o uso da realidade aumentada em mais aplicativos. Recentemente o Google fez algumas provocações comparando o seu novo Google Maps, com o de um “phone X”. Será que a maçã dará uma resposta? Detecção de poses em fotos e mais recursos para iPhones e iPads estão sendo esperados.

5G

A internet 5G está se tornando uma realidade. Mas é preciso aparelhos que suportem o tanto de internet que vem por aí. É muito provável que os gadgets da maçã não fiquem de fora dessa corrida e - quem sabe - possamos ver um iPhone 5G por aí em breve, principalmente, após a disputa de patentes entre Qualcomm e Apple ter chegado ao fim.

Mac Pro

Apesar de ser um evento para desenvolvedores há uma grande expectativa para um novo Mac Pro ser apresentado ou que pelo menos se fale sobre ele. Depois do fiasco que foi apresentado em 2013, os usuários do computador profissional da Apple esperam uma nova alternativa para desktop que tenha um desempenho melhor.

MacOS 10.15 e projeto Marzipan

As grandes estrelas dessa conferência parecem ser o MacOs 10.15 e o projeto Marzipan. Apesar de não ser oficialmente chamado com este nome, o projeto deve facilitar a migração de aplicativos de iPad para a plataforma desktop da Apple. As primeiras impressões da mídia internacional especializada foram terríveis, mas já deu a hora da Apple consertar o que deu errado e apresentar algo que realmente empolgue seus usuários.

Já MacBooks, iMacs e Macs Pro devem aproveitar bastante dessa novidade, que vem com o MacOs 10.15. O novo sistema operacional deve contar com pelo menos dois novos aplicativos: o Podcasts e o Find My - para encontrar, literalmente tudo. O iTunes também deve chegar ao fim e a Siri Shortcuts e o Screen Time devem aparecer.

tvOS e watchOS

Como tivemos um evento enorme da Apple no começo do ano, para o lançamento de seu aplicativo de Tv, é improvável que grandes novidades sejam anunciadas para este segmento. Algumas peças publicitárias sobre o streaming da Apple podem aparecer, assim como algum update, mas só.

Já os relógios de pulso da maçã devem ganhar uma repaginada. Novos mostradores (watchfaces) no estilo “Gradiente” e “X-Large”. Uma mescla do visual clássico dos relógios de pulso com números romanos e arábicos a até solar.  Aplicativos como Voice Memos, calculadora, e o Apple Books para áudio livros devem fazer parte do acessório. Também deve ser possível controlar o ciclo menstrual e o horário dos medicamentos.

Apple Arcade

Por fim, jogos. Estamos muito perto do prazo para a Apple lançar o serviço de assinatura Apple Arcade. O streaming de jogos foi anunciado para este ano, já ganhou anúncio e lista de games disponíveis. Resta esperar que, depois de tanta propaganda, ele seja anunciado na Apple Worldwide Developers Conference 2019.

Tem gente que gosta de chegar cedo para um evento especial - mas que tal quase dois dias antes? Desde a tarde da última quinta-feira (30), cinco pessoas acamparam ao relento na frente do Shopping Ibirapuera, em São Paulo. Para estar lá, um rapaz suspendeu as aulas de música na escola em que é professor. Outro fez home office direto da praça de alimentação do shopping, trabalhando durante o dia enquanto os amigos guardavam lugar na fila. Em suas mochilas, um suprimento invejável: troca de roupas, frutas, bolachas, cápsulas de cafeína e até um cantil de água de 10 litros. Mas eles não estavam ali para ver um artista pop ou comprar um iPhone novo em folha: a razão da espera era conhecer, antes de qualquer um, a primeira loja física da fabricante chinesa Xiaomi no Brasil.

Na manhã deste sábado (1°) quando a loja finalmente abriu, havia uma fila de mais de mil pessoas, dobrando quarteirões em torno do shopping em Moema, na zona sul da capital paulista. Elas estavam interessadas em conhecer os produtos da quarta maior fabricante de smartphones do mundo, ganhar brindes e ter descontos agressivos. Para promover os lançamentos, a chinesa vendeu o Mi 9, seu smartphone topo de linha, por R$ 2,8 mil, bem abaixo dos R$ 4 mil cobrados normalmente. O estoque promocional durou apenas 40 minutos. Além de celulares, a empresa também trouxe ao Brasil um portfólio que beira a centena de produtos, incluindo robôs aspiradores de pó, patinetes elétricos, drones e equipamentos para a casa conectada.

##RECOMENDA##

Para estar no mercado brasileiro, a Xiaomi fechou uma parceria com a fabricante de eletrônicos DL, de Santa Rita do Sapucaí (MG), que cuidará de distribuição e vendas dos aparelhos no País. Por enquanto, os produtos serão importados da China, mas não estão descartados planos para fabricação local a longo prazo. "Queremos mostrar a experiência Xiaomi para os brasileiros: a ideia é que o consumidor use o smartphone, mas também uma pulseira inteligente ou um robô, de forma integrada", diz Luciano Barbosa, diretor de produtos da DL e líder do projeto da Xiaomi no País.

Empresas que usam o G Suite, a plataforma de aplicativos de produtividade da Google, agora vão poder fazer seus pagamentos em reais (via cartão de crédito), além de utilizar o boleto bancário. A novidade será aplicável para as versões Basic, Business, Enterprise e, também, para G Suite Lite.  Dessa forma, o valor do serviço não fica sujeito à taxa de variação cambial e os usuários sabe o valor exato que vão pagar no momento que contrata o serviço.

O preço já vem com todos os impostos inclusos sobre o valor das assinaturas. Com a mudança outras atualizações no processo de negócio também serão feitas. As cobranças de débitos futuros em dólares serão canceladas, o pagamento via Boleto Bancário poderá ser feito manualmente no G Suite ou em fatura mensal.

##RECOMENDA##

No entanto, quem optar por pagar em reais não poderá voltar a pagar em dólares. Para quem pretende adquirir o serviço haverá a opção de selecionar tanto a moeda brasileira quanto a norte-americana para os pagamentos. A alteração da assinatura só será realizada via cartão de crédito, mas após inserir os dados do cartão o usuário poderá selecionar o pagamento com boleto bancário.

O Brasil foi, mais uma vez, destaque em uma competição mundial. O aluno do Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Milton Gama Neto, foi destaque na etapa final do EY NextWave Data Science Challenge. O estudante de mestrado ficou em segundo lugar na competição e 25º lugar global e deverá concorrer ao ranking definitivo no dia 1º de junho, em São Paulo.

A competição apresentou mais de 4.500 inscritos de 15 países, que utilizaram habilidades técnicas na área de ciência de dados para analisar problemas reais e encontrar soluções para o ambiente de trabalho. Os participantes tiveram de 1 a 10 de maio para finalizar o desafio e competirem tanto na etapa nacional quanto mundial.

##RECOMENDA##

Devido à crise econômica que levou 13,4 milhões de brasileiros ao desemprego, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o empreendedorismo na área da tecnologia tem sido uma alternativa de renda. Os aplicativos estão entre os negócios mais procurados.

Daniel Pinon, aluno do curso de Ciência da Computação, contou como ele e sua equipe criaram o aplicativo Açaí Delivery. “Ele é muito simples. A função do aplicativo é mapear os pontos da região e colocar o entregador mais próximo para levar o açaí ao cliente. No começo de tudo, a gente queria fazer um negócio, mas não sabíamos como e por onde começar. Tivemos algumas orientações, participamos de palestras, usamos o network para ter um contato com outras pessoas, compartilhar conhecimentos. Foi aí que pensamos em desenvolver algo que fosse da nossa região, o açaí”, disse.

##RECOMENDA##

“Para criar uma programação, preciso pensar no meu software, seja ele um aplicativo ou um sistema web, a função dele é poder resolver o problema ou a ideia", disse Marceo. "Depois, faço uma série de análises do sistema antes da programação, criando uma documentação, fazendo a listagem de todas as personalidades que esse sistema vai ter e a partir disso que eu vou criar a programação”, assinalou.

Segundo Marceo, a linguagem vai dar início à programação do sistema. "No desenvolvimento Android, a linguagem mais utilizada tem sido o Java. Caso queira programar para IOS, terei que aprender outras duas  linguagens, como o Objective-C e o Swift", disse.  

O custo de lançamento do produto varia de acordo com as ambições do projeto. “Se a pessoa quiser publicar o seu aplicativo na loja do Android, é necessário que haja uma programação, por exemplo, pelo Windows, através do Android Studio. Para poder postar na loja, tem que pagar uma taxa única de 25 dólares”, ressaltou o coordenador.

Por Ramon Almeida.

[@#video#@]

Com a promessa de entregar uma experiência de cinema na palma da mão do usuário, chega ao mercado brasileiros o novo Motorola One Vision. Com o visual moderno e uma grande tela de 6.3’’, o smartphone foca principalmente na captação e reprodução de imagens, buscando conquistar pela qualidade de fotos e vídeos.

Câmera e display

##RECOMENDA##

Sejamos sinceros. Nos tempos atuais, em que a imagem toma um lugar cada vez mais importante no dia a dia das pessoas, uma boa câmera é um verdadeiro trunfo. O aparelho ganha ao oferecer um sistema que une inteligência artificial, estabilização de imagem óptica e a tecnologia Quad Pixel para entregar imagens mais nítidas.

A câmera traseira vem com 48 MP, o que possibilita fotos extremamente detalhadas quando feitas em ambientes iluminados. Além disso, o smartphone também conta com o modo Night Vision, que deve deixar os registros feitos em condições de baixa luminosidade ou à noite, mais nítidos.

Para quem prefere tirar as famosas selfies a frontal chega com 25 MP e permite escolher diferentes tamanhos de pixel dependendo da situação. O display do aparelho também chega em um tamanho maior, com 6.3", para permitir um conforto maior na hora de jogar ou assistir conteúdos em vídeo.

Especificações

Com um sistema operacional atualizado por meio do Android One, o aparelho garante uma versão 100% pura do sistema da Google. A bateria de 3500 mAh, deve durar cerca de 9 horas de uso contínuo, ainda mais se você não usar o smartphone o tempo todo.

Quanto ao espaço o One Vision vem com 128 GB de armazenamento interno, podendo acrescentar até 512 GB com um cartão microSD. Graças a parceria da Motorola com a Google o usuário também ganha armazenamento ilimitado no Google Fotos.

O smartphone está disponível nas cores azul safira e bronze; por se tratar de um aparelho premium, entra no mercado com um valor aproximado de R$ 1.999.

Depois de descartar cobrar dos usuários para o uso do serviço, o Facebook está desenvolvendo uma forma alternativa de ganhar dinheiro com o aplicativo de mensagens WhatsApp. O dono do aplicativo anunciou na quarta-feira, 21, em evento realizado na Holanda, que vai exibir anúncios no serviço de vídeos efêmeros da plataforma - o WhatsApp Status - a partir de 2020.

As informações foram publicadas em redes sociais por publicitários presentes no evento. Procurado, o WhatsApp não comentou o assunto.

##RECOMENDA##

A ferramenta do WhatsApp Status é semelhante ao Stories do Instagram - e ambos são parecidos com as mensagens do Snapchat, do qual o Facebook copiou o recurso. O WhatsApp é usado por 500 milhões de pessoas em todo o mundo.

Segundo as fontes, os anúncios vão aparecer como postagens independentes, entre as publicações dos usuários. A função estará disponível tanto no iPhone quanto no Android, disse o Facebook. Haverá ainda um símbolo indicando que o post é patrocinado e uma seta, para que o usuário "siga" o link do anúncio.

O Facebook divulgou novas funcionalidades para a versão corporativa do WhatsApp. Entre elas, uma ferramenta que permite que o usuário tenha uma prévia de um arquivo PDF enviado pelo WhatsApp Business. Hoje, é preciso baixar o arquivo para o dispositivo exibir o conteúdo. (Agências Internacionais)

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A Xiaomi, quarta maior fabricante de smartphones no mundo, vai inaugurar sua primeira loja autorizada no Brasil. Quem pretende adquirir algum dos produtos da empresa chinesa, vai gostar de saber que muitos de seus aparelhos estarão com preços especiais de lançamento.

##RECOMENDA##

Quem for até a loja, a partir do dia 1º de junho, terá acesso a 300 unidades do Redmi Note 7 (64gb + 4gb RAM), no valor de R$ 1.299, e a 100 aparelhos Mi 9 (128gb + 6gb RAM), a R$ 2.799, limitado a um smartphone por pessoa. Eles serão disponibilizados por ordem de chegada.

Além dos smartphones (divididos entre intermediários e avançados), headphones, mochilas, malas de viagem, câmera 4k e de segurança, power banks, entre outros produtos estarão à venda. A nova loja da Xiaomi ficará localizada no Shopping Ibirapuera, em São Paulo.

LeiaJá também

--> Xiaomi vai lançar dois novos smartphones no Brasil

--> Xiaomi lança fone aos praticantes de esportes

 

A Google surpreendeu ao usar de bom humor na nova propaganda do seu Pixel 3a. Em um vídeo de 15 segundos, a gigante da internet provoca a concorrente Apple ao comparar o seu novíssimo smartphone, com o um “phone X”, referência clara ao aparelho da maçã.

Nas imagens é mostrado o uso do Apple Maps em paralelo ao Google Maps do Pixel 3a, uma forma de reforçar como é difícil saber sua exata posição na ferramenta do smartphone concorrente. Já o dispositivo da gigante, ao contrário do “phone X”, se utiliza de realidade aumentada para situar mais precisamente o usuário.

##RECOMENDA##

O xeque-mate fica no finalzinho do vídeo, quando é comparado valor dos dois aparelhos. Enquanto o concorrente custa US$ 999 (equivalente a 4 mil reais), o Pixel 3a sairia por US$ 399 (cerca de R$ 1.600), apresentando uma tecnologia superior por um valor mais em conta. Essa competição saudável faz parte da cultura publicitária dos Estados Unidos e é comum entre marcas, para diversão do consumidor final.

O Pixel 3a foi apresentado pela primeira vez na Google I/O, conferência de desenvolvedores da empresa e chamou atenção pelas características premium em um preço acessível. 

Veja o vídeo

[@#video#@]

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando