Tópicos | posição

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) publicou posicionamento oficial sobre a suposta prisão de uma docente, na manhã desta segunda-feira (15), no interior do campus do município de Águas Lindas de Goiás, no centro-oeste brasileiro. Segundo relatos de sindicatos da categoria, a prisão se deu por “doutrinação”, mas, a princípio, boatos afirmavam que a detenção ocorreu por “desacato”.

De acordo com o IFG, a presença de policiais da Delegacia de Proteção à Criança e Adolescentes no campus está relacionada a uma investigação em andamento, que “trata de suposta articulação de pessoas para realização de grave atentado contra o Câmpus Águas Lindas, o que colocaria em risco a vida de estudantes e de servidores no decorrer desta semana, durante as comemorações do aniversário do Câmpus” (sic).

##RECOMENDA##

Ainda de acordo com a nota, a reitoria da instituição está apurando os fatos relacionados à condução de membros da comunidade acadêmica à delegacia e tomará as providências cabíveis no âmbito da administração pública. “A Reitoria reafirma sua posição em defesa da integridade física, da liberdade, da pluralidade de pensamento dos professores, dos técnico-administrativos e dos estudantes”, conclui o comunicado.

O cantor Djavan foi duramente criticado por fãs na última segunda-feira (31), após uma entrevista em que afirma está esperançoso para o governo de Jair Bolsonaro (PSL), que assumiu a presidência do Brasil nessa terça-feira (1°). Depois da posição ter repercussão negativa, o cantor se pronunciou via Instagram.

“Para o lançamento do álbum 'Vesúvio', dei várias entrevistas onde afirmo minha esperança no futuro do Brasil. Nesses últimos dias, uma revista digital repercutiu um trecho de uma entrevista realizada há quase um mês, descontextualizando o que disse de fato. Como tenho afirmado em todas as entrevistas, sempre serei contra qualquer tipo de intolerância e sou a favor do desarmamento, mensagem transmitida inclusive na música Solitude, tema central da pergunta cuja resposta foi distorcida. Eu acredito na democracia, no Estado de Direito e no futuro do Brasil”, declarou.

##RECOMENDA##

Alguns seguidores do músico apoiaram seu posicionamento, já outros contestaram a argumentação. “Ufa! Tava todo mundo em pânico já @djavanoficial ...ninguém tava acreditando”; “Amado, a gente quer que você fale explicitamente 'não apoio governo fascista de Bolsonaro'. Pronto”; “não foi tirado de contexto nenhum baby”, comentaram.

[@#video#@]

Assim como a UPE, a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) divulgou um comunicado em que mostra preocupação com os episódios de violência registrados neste período eleitoral. O texto, intitulado “Comunicado: pela valorização da democracia, do diálogo e da educação”, foi compartilhado na manhã desta segunda-feira (15) no site oficial da instituição de ensino.

Em seu posicionamento, a UFRPE destacou a importância da valorização da democracia e repudiou os indivíduos que tratam como inimigos seus adversários políticos. “Somos solidários com todas as pessoas que foram violentadas ou agredidas em virtude de seu posicionamento político ou por causa de sua orientação sexual e identidade de gênero. Que as autoridades instituídas possam investigar seriamente cada caso e punir exemplarmente os responsáveis por tais atrocidades”, informou a Universidade. Confira o comunicado na íntegra assinado pela reitora Maria José de Sena e pelo vice-reitor Marcelo Brito Carneiro Leão:

##RECOMENDA##

A Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) vem a público comunicar sua preocupação com o crescimento da violência e da cultura do ódio, problemas que infelizmente têm se agravado no país durante o período eleitoral. A UFRPE, por meio de sua Reitoria, chama a atenção para a necessidade do fortalecimento do diálogo e do respeito à diversidade de pensamento e opinião entre os segmentos de nossa sociedade.

Nesse sentido, na data em que se celebra o Dia do(a) Professor(a) em todo o país, buscamos sensibilizar a todos e todas para a defesa dos valores democráticos, da tolerância e da cidadania. O bom exercício da democracia não corresponde às atitudes daqueles que tratam adversários como inimigos, que usam da violência para negar a cidadania e a pluralidade de pensamento. Somos solidários com todas as pessoas que foram violentadas ou agredidas em virtude de seu posicionamento político ou por causa de sua orientação sexual e identidade de gênero. Que as autoridades instituídas possam investigar seriamente cada caso e punir exemplarmente os responsáveis por tais atrocidades.

Nesse cenário, afirmamos o papel da Educação como caminho fundamental na busca por soluções de problemas históricos da sociedade brasileira. Não há alternativa viável para a superação das desigualdades socioeconômicas, da violência, da exclusão social, dos problemas socioambientais, entre outros aspectos, que não tenha a Educação como estratégia norteadora e integradora das ações. Ressaltamos a importância do trabalho exercido por professores e professoras, educadores e educadoras, de todos os níveis educacionais, no sentido da promoção do diálogo, do respeito às diferenças, da tolerância e da cidadania.

Convidamos todos e todas a assumirem o compromisso com os princípios do Estado Democrático de Direito; com a luta contra toda forma de autoritarismo e repressão das liberdades individuais e coletivas; com a promoção da cidadania e dos direitos humanos; com o estabelecimento de uma sociedade mais justa e solidária.

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES) também divulgou um texto em defesa da democracia. O posicionamento combate atitudes violentas. “A sociedade brasileira encontra-se dividida, vivendo hoje um processo eleitoral decisivo para seu destino. Como sabemos, episódios de violência relacionados a eleições ocorrem em cada pleito, sendo todos eles condenáveis, pois trazem componentes de violência ao que deveria ser momento de reflexão e debate. Neste pleito, entretanto, estamos constatando um perigoso agravamento do conflito, que compromete a própria natureza da decisão democrática”, informou a ANDIFES.

LeiaJá também

--> Barbárie: eleitora de Ciro é espancada em bar do Recife

Na última segunda-feira (24) o youtuber Léo Stronda ameaçou matar uma galinha de “A Fazenda” se não pudesse comer nenhuma proteína animal em sua próxima refeição. A causa da revolta dele foi uma punição imposta pela produção do programa ao seu grupo por causa de uma infração cometida por Fernanda Lacerda: todos deveriam ficar 24 horas sem comer carne. 

Revoltado por querer comer frango ou peixe de qualquer maneira, mesmo a punição incluindo as carnes brancas, Leo afirmou que poderia matar uma galinha d’angola e prepará-la para comer. “Eu vou descer lá e matar uma galinha d’Angola. Depois eu faço ela para eu comer. Duvidam? Eu já fiz isso, sei fazer a galinha de boa”, disse ele, sendo alertado por outros participantes que matar animais é contra as regras do programa. 

##RECOMENDA##

“Você não pode, tá no manual que a gente recebeu. Se você fizer isso, pode ser expulso”, disse Ana Paula Renault. Ainda nervoso, Léo Stronda disse outra vez que peixe e frango não estariam na punição. Sandro, então, avisou a Léo que a produção já havia retirado todos os tipos de carne de dentro da geladeira, para devolver apenas no dia seguinte.

Ainda mais nervoso, o bodybuilder afirmou novamente que comeria carne de qualquer jeito. “Se me deixarem sem nenhuma proteína por 24 horas, vão ver o monstro mesmo. Se chegar minha próxima refeição e não tiver proteína, vocês vão ver!”, disse ele.

LeiaJá também

--> Primeira festa n'A Fazenda acaba em xixi na cama e punição

--> Equipe Terra é a vencedora da Prova de Fogo da A Fazenda

--> Ana Paula chama Bolsonaro de 'caso perdido' em A Fazenda

Responsável pela organização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) garantiu, por meio de nota divulgada nesta sexta-feira (17), que a edição 2019 da prova está confirmada. O posicionamento contraria reportagem do Correio Brasiliense; o texto jornalístico diz que o Enem 2019 estaria ameaçado por falta de verba federal.

Na matéria, há a informação de que o orçamento federal previsto atualmente não é suficiente para a realização das provas no próximo ano. Segundo a reportagem, o montante previsto para este ano é de R$ 701 milhões, enquanto que para 2019 o valor sugerido pelo Inep seria de R$ 603 milhões. No entanto, de acordo com a matéria, o governo só estaria disposto a liberar R$ 158 milhões para a realização do Exame em 2019. O dinheiro serviria para cobrir os custos de atividades logísticas, impressão das provas, segurança, corretores, entre outras ações.

##RECOMENDA##

Indo de encontro à reportagem, o Inep prometeu que o Enem 2019 será realizado, “dando prosseguimento à história de sucesso do Exame que completa 20 anos em 2018 e que mudou o acesso ao ensino superior brasileiro”. De acordo com o Inep, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o próximo ano não define o orçamento por programa ou atividade, “apenas estabelece as diretrizes para a elaboração da Proposta de Lei Orçamentária Anual (PLOA)”.

“A sanção do artigo 22º da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) garante que os recursos para o MEC não podem ser menores que no ano anterior e devem ser reajustados de acordo com a inflação, nos seguintes termos: Art. 22. O Projeto de Lei Orçamentária de 2019 e a respectiva Lei destinarão recursos para as despesas do Ministério da Educação em montante, no mínimo, igual ao aprovado na Lei Orçamentária de 2018, corrigido na forma do inciso II do § 1º do art. 107 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias”, diz nota do Inep.

Por fim, o órgão ainda cravou que não existem motivos para pensar que o Enem 2019 está ameaçado. Neste ano, as provas serão realizadas nos dias 4 e 11 de novembro. A edição 2019, no entanto, ainda não teve o cronograma divulgado.

Na noite desta terça (10), a apresentadora do canal GNT, Bela Gil, fez uma visita ao acampamento instalado por apoiadores do ex-presidente Lula em Curitiba. Durante entrevista, a filha do cantor e ex-minisitro Gilberto Gil declarou apoio ao petista.

Junto a representantes do Movimento Sem Terra (MST), Bela Gil fez a entrega de uma cesta de alimentos agroecológicos, produzidos em assentamentos do movimento para uma moradora que acolheu os militantes que defendem o ex-presidente. Ela aproveitou a ocasião para defender a principal bandeira do MST. "É importante que a gente lute pela Reforma Agrária, porque é a única forma de democratizar a produção e levar comida saudável a todos os brasileiros", afirmou.

##RECOMENDA##

Em entrevista transmitida pela página oficial do ex-presidente no Facebook, a apresentadora de sua opinião sobre a movimentação em Curitiba e declarou apoio a Lula. "O povo tem o direito de ocupar e de se manifestar. Não sei do outro lado, mas da parte de vocês (apoiadores de Lula) sinto uma organização e uma paz. Aqui onde estou me sinto bem. Talvez no sábado tenha sido mais agressivo", disse ela, antes de deixar recado ao ex-presidente. "Lula, o povo está com você! Lula livre", exclamou Bela Gil.

[@#video#@]

O Ministério da Educação (MEC) se posicionou, nesta terça-feira (20), a respeito da informação de que parte do ensino médio poderia passar a ser oferecida na modalidade de Educação a Distância (EAD). O posicionamento foi uma resposta à reportagem publicada pela Folha de São Paulo; a matéria dizia que o governo federal pretendia liberar 40% do nível médio em aulas EaD.

De acordo com nota publicada pelo MEC, “não é verdade que o governo queira liberar 40% do ensino médio na modalidade de Educação a Distância (EaD)”. “O texto das Diretrizes Nacionais Curriculares do Ensino Médio ainda é objeto de discussão no Conselho Nacional de Educação – órgão responsável pela definição e aprovação –, sem prazo para terminar, e passará, posteriormente, por audiência pública”, informou a pasta.

##RECOMENDA##

Segundo o MEC, apenas depois desse as diretrizes serão analisadas, podendo ou não ser homologadas. No entanto, o Ministério informou que o Conselho Nacional de Educação é um órgão independente e pode discutir as novas propostas para a educação brasileira. 

 

O prefeito de Afogados da Ingazeira e presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), José Patriota (PSB), passou toda a segunda-feira (6) em busca de uma resposta do Banco do Brasil a respeito do fechamento de agências bancárias no interior de Pernambuco. Ao todo, neste ano, já são 12 fechadas, que tem ocasionado revolta da população. 

Patriota, em entrevista concedida ao LeiaJá, falou que a promessa era de que fossem reabertas, mas até agora nada. “Nós fomos atrás dos argumentos do Banco do Brasil hoje. O banco falou duas horas sobre violência e assalto. No final da reunião, nós levantamos os dados sobre a violência. No ano passado foram 75 assaltos às agências do Banco do Brasil, mas neste ano foram cinco. Então, esse argumento valia o ano passado, esse ano não. Eles também estão alegando que é Brasília, não há argumento”, contou. 

##RECOMENDA##

Patriota disse que o povo está sofrendo e que vai começar a se manifestar. “Nós vamos para Brasília e vamos judicializar. O povo também vai se manifestar porque estão revoltados. Estão todos doidos para vir até a capital. O que está acontecendo é algo doloroso, desrespeitoso e discriminatório. Como paga conta de água, de luz?”, indagou. 

O pessebista também falou do problema das pessoas que têm que se deslocar até outra cidade, percorrendo muitos quilômetros, para poder realizar suas transações e que muitos têm medo de serem assaltados no caminho por causa da exposição. “Ainda mais tem essa: a população fica com medo de ser assaltada porque os caras sabem que têm dinheiro, além de acidentes no meio da estrada. É uma cadeia de problemas”. 

“Nós pedimos, primeiro, por transparência. Quais são os critérios utilizados para o fechamento? Inviabilidade econômica? Ninguém disse que não tinha viabilidade, pelo contrário, então, os comerciantes, os agricultores, os aposentados, os pensionistas estão tendo que ser transportados em ambulâncias chegando duas horas da manhã na fila do banco para ser, às vezes, atendido duas horas da tarde. Como é que pode?”, criticou Patriota. 

 

Ele ainda falou que os funcionários não estão preparados para recepcionar as pessoas. “O pessoal de Orocó vai para Cabrobo, aí o banco pede para ir para outra cidade quando ele chega lá. O cidadão tem que pagar o transporte público e ainda não ser atendido?”, questionou. 

 

O senador José Aníbal (PSDB-SP) disse que o PSDB vai votar pela aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que deve ocorrer na semana que vem, e também no plenário. "Vamos votar totalmente a favor", disse ele a jornalistas, após participar de evento na Câmara Municipal de Barueri.

Nesta semana, um parlamentar do partido votou contra o relatório da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, o senador Eduardo Amorim (PSDB-SE). Para Aníbal, houve nesta votação uma atitude "meio frouxa" do governo. "Era uma votação crucial, não podia ter deixado de confirmar e reconfirmar os votos."

##RECOMENDA##

Na avaliação de Aníbal, era preciso que o governo identificasse potenciais surpresas nos votos da CAS e substituísse os parlamentares. Na votação, até um senador do partido de Michel Temer, o PMDB, votou contra o relatório da reforma. A perspectiva agora é que o texto seja aprovado na CCJ e, em seguida, no plenário, disse o senador.

Aníbal ressaltou que não há, no momento, reunião marcada para discutir os rumos do apoio do PSDB ao governo de Michel Temer. "Certamente esta vai ser uma semana de muita conversa em Brasília", disse ele, citando entre os eventos previstos para os próximos dias a apresentação da denúncia pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Temer.

FGTS

Questionado sobre a intenção do governo de permitir que o FGTS seja usado para substituir o seguro-desemprego, medida em estudo conforme admitiu ontem o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, Aníbal disse que é "totalmente contra" a ideia. "Acho que essa é uma posição que vai se tornar a do PSDB."

Para o senador, quem tem de arcar com os recursos do seguro-desemprego é o Tesouro, e não utilizar dinheiro dos próprios trabalhadores.

O deputado federal Tadeu Alencar (PSB-PE) perdeu a disputa do novo líder do partido na Câmara dos Deputados para a parlamentar Tereza Cristina (PSB-MS), que venceu a disputa com 22 votos contra 14 de Tadeu, no entanto, ele explicou a um veículo de comunicação local que perder ou ganhar faz parte de qualquer eleição. 

“Nós perdemos, mas afirmamos uma posição política que era de trazer o PSB para o seu leito natural de um partido altivo, que tem 70 anos de história, que já foi liderado por Miguel Arraes, por Eduardo Campos e que precisa ter com os governos uma relação altiva e de uma independência contributiva”, declarou.

##RECOMENDA##

Questionado se o senador Fernando Bezerra Coelho domina o partido, o socialista negou. “Não, não. Ninguém domina o partido. O PSB é um partido de verdade, que tem um segmento e que tem a contribuição muito valiosa do senador Fernando Bezerra e do seu conjunto político, mas, que tem tantos outros líderes como o presidente do partido, como o governador Paulo Câmara, que é o nosso líder em Pernambuco, o prefeito Geraldo Julio e tantos outros. São contribuições históricas e permanentes juntos com a do senador”.

O deputado também disse que uma posição política foi fortalecida. “É o que nos propúnhamos a fazer. Perdemos a eleição da liderança, mas, afirmamos uma posição política e, certamente, ela vai se adensar com os dias que estamos para viver daqui para frente. Eu tenho certeza que o partido vai compreender a importância dessa posição que nós afirmamos agora”, acrescentou Tadeu Alencar.

 

 

 

Anitta é daquelas artistas que chamam a atenção por onde passam. Com canções que caem na boca do povo, roupas provocantes e apresentações que fazem muitas pessoas babar, ela tem uma legião de fãs (e alguns que não a curtem muito, também!). Por isso, muitas vezes a cantora acaba virando alvo de polêmicas.

Desta vez, segundo o colunista Léo Dias, Anitta fez revelações bombásticas sobre sua vida pessoal nos bastidores do festival Villa Mix. Ao relembrar um ex-affair, a funkeira desabafou sobre atitude machista do rapaz:

##RECOMENDA##

- Uma vez eu peguei um cara que falou assim pra mim: Se você fosse minha mulher, a primeira coisa que eu ia mudar é esse rebolado aí. Essa história de rebolar na frente dos outros ia acabar Eu falei: Ah, eu entendi. Pra me pegar é legal. Pra ser sua mulher não dá. É uma hipocrisia que não dá. Eu prefiro ficar sozinha a ser subordinada.

O afastamento da presidente Dilma Rousseff provocou diferentes reações no âmbito internacional. Nos Estados Unidos e na União Europeia, a diplomacia e manutenção do bom relacionamento se destacam, independentemente da troca na presidência. "Nós temos uma boa relação cooperativa e muitos projetos de interesse mútuo, como em segurança e defesa, migração e antiterrorismo", disse o porta-voz da UE à reportagem.

Na Grã-Bretanha, a posição foi semelhante. Um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores afirmou que está monitorando os desenvolvimentos políticos do País. "Esse é um tema interno para os cidadãos do Brasil e seus representantes eleitos, sobre o qual não gostaríamos de fazer comentários adicionais", disse.

##RECOMENDA##

Já a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Elizabeth Trudeau, em entrevista à imprensa, comentou que os dois países mantêm uma forte relação bilateral. "Nós cooperamos com o Brasil em várias questões, como comércio e meio ambiente e esperamos que isso continue", declarou.

Numa outra entrevista, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, declarou que os Estados Unidos estão com o Brasil, mesmo nestes momentos desafiadores.

Na América do Sul, o tom geral foi de desconforto com o afastamento de Dilma Rousseff. O Secretário-Geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), o colombiano Ernesto Samper, afirmou que a região vive um momento difícil.

Os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Bolívia, Evo Morales, chamaram o impeachment de golpe.

Assim como o IFPE e a Universidade de Pernambuco (UPE), outra instituição de ensino resolveu se posicionar no que diz respeito aos acontecimentos políticos do País. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) divulgou, nesta segunda-feira (4), uma nota em “defesa intransigente do Estado Democrático de Direito, conclamando os poderes constituídos, as instituições e a sociedade em geral para agirem de forma equilibrada neste grave momento que o País atravessa, sempre respeitando os princípios constitucionais, mantendo-se a busca pelo diálogo e o debate de ideias em torno da democracia”.

A nota assinada pelo Conselho reforça o respeito aos princípios da Constituição Federal de 1988 e a defesa do Estado Democrático de Direito. “A preservação dessas conquistas passa, necessariamente, pelo combate à corrupção, que deve ser investigada e punida dentro dos limites constitucionais consagrados, respeitando-se os direitos individuais e coletivos”, consta na nota da UFPE. A seguir, veja a nota na íntegra:

##RECOMENDA##

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, reunido extraordinariamente em 4 de abril de 2016, considerando a conjuntura política do País e a responsabilidade da UFPE – quanto ao seu papel na construção e divulgação do saber científico, tecnológico, cultural e humanista, observados os princípios da ética, da cidadania e da justiça social –, não pode deixar de se pronunciar sobre os acontecimentos que vêm ocorrendo na sociedade brasileira.

O respeito aos princípios da Constituição Federal de 1988 e a defesa do Estado Democrático de Direito são conquistas relevantes do nosso País. A preservação dessas conquistas passa, necessariamente, pelo combate à corrupção, que deve ser investigada e punida dentro dos limites constitucionais consagrados, respeitando-se os direitos individuais e coletivos.

Assim, o Conselho Universitário da UFPE manifesta-se em defesa intransigente do Estado Democrático de Direito, conclamando os poderes constituídos, as instituições e a sociedade em geral para agirem de forma equilibrada neste grave momento que o País atravessa, sempre respeitando os princípios constitucionais, mantendo-se a busca pelo diálogo e o debate de ideias em torno da democracia.

 

  

Washington, 25 (AE)- A administração do presidente Barack Obama reiterou que Bashar Assad não deveria governar mais a Síria e rejeitou o pedido da Rússia para que os Estados Unidos mudem sua posição em relação ao assunto.

A agência de notícias Interfax citou o vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, dizendo que Washington agora aceita o argumento dado por Moscou de que o futuro de Assad não deveria ser aberto a negociação neste momento.

##RECOMENDA##

Mas o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, John Kirby, afirmou: "Qualquer sugestão de que tenhamos mudado nossa visão em relação ao futuro de Assad é falsa". E Kirby acrescentou: "Assad perdeu sua legitimidade para governar. Não mudamos nossa visão sobre isso."

O governo de Assad é apoiado pela Rússia e rebeldes financiados pelo Ocidente recentemente concluíram uma rodada das negociações de paz, devendo se reunir novamente no mês que vem. O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, visitou o presidente russo, Vladimir Putin, e outras autoridades nesta semana para traçar um plano de quais serão os próximos passos. Fonte: Associated Press.

Devido aos últimos acontecimentos que ocorreram no cenário político nacional, a reitoria do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), representada pela professora Cláudia Sansil, veio à público, manifestar sua insatisfação, através de nota. No comunicado, a instituição demonstra sua preocupação com a hipótese de quebra da democracia, faz um apelo para que as investigações não ocorram de forma precipitada e que sejam conduzidas de maneira ética. 

Confira a nota integra:

##RECOMENDA##

Nos últimos doze anos, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco vivenciou um exponencial crescimento de sua estrutura, fruto de um projeto nacional de expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, que incluiu mais de um milhão de jovens e adultos no mapa da educação pública, laica, gratuita e de qualidade.

Especificamente no IFPE, essa estrutura passou de 6 campi, atendendo a cerca de 6 mil estudantes, para 16 campi e 17 polos de Educação a Distância, contemplando mais de 20 mil estudantes, desde o Ensino Médio Integrado até a Pós-Graduação.

Diante da recente instabilidade no cenário político nacional, com clara ameaça de ruptura da ordem democrática, o IFPE vem manifestar sua preocupação com os últimos acontecimentos e com o risco gerado à manutenção e à consolidação dos enormes avanços vivenciados na educação pública.

Espera-se que todas as investigações sejam conduzidas de forma ética, impessoal e com base na Lei, evitando julgamentos precipitados ou influenciados por factoides

Professora Cláudia Sansil
Reitora do IFPE

LeiaJá Também: 

--> Nota da UPE defende governo de Dilma

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usou sua conta no Twitter neste sábado (29) para reiterar ser contra o retorno da CPMF, proposta que vem sendo estudada pelo governo como saída para fechar as contas do Orçamento de 2016.

"Como já disse essa semana, sou totalmente contra a volta do CPMF", escreveu Cunha, que está em viagem oficial a Nova York para participar de evento da Organização das Nações Unidas (ONU). "Enquanto deputado, ressalto meu posicionamento totalmente contrário a essa matéria", continuou. E terminou a série de três mensagens destacando que, "nesse momento de recessão, tentar resolver problemas de caixa com aumento de imposto com certeza não é a melhor solução".

##RECOMENDA##

Na note de ontem (28), o presidente da Câmara disse a jornalistas em Nova York ser "totalmente contrário" à volta do tributo, classificado por ele como "perverso". "Você só vai aumentar o custo da economia, é uma contribuição perversa porque ela tributa igualmente toda a economia, afeta o custo dos serviços", afirmou. "Isso não é a solução para a economia. Se o governo tem problema de caixa porque a economia diminuiu, não é aumentando impostos que vai resolver o seu problema", argumentou.

Após cinco partidas como titular, o zagueiro Néris corre o risco de voltar ao banco de reservas. Alemão, recuperado de uma lesão no rosto, foi um dos suplentes contra o Oeste-SP e ganhou condições de jogo, podendo retomar a vaga no diante do Botafogo. No entanto, Néris aposta no seu bom desempenho nos últimos jogos para seguir na equipe, mas não se considera titular absoluto.

“Vaga garantida eu não tenho. Tenho de trabalhar a cada dia para me firmar nos jogos. O Alemão teve uma lesão e está voltando agora. Mas o professor está vendo o momento que o grupo está. Creio eu que ninguém tem a vaga assegurada. Tem de mostrar estar melhor para jogar”, ressaltou o defensor coral.

##RECOMENDA##

Desconhecido no futebol pernambucano quando chegou, Néris foi contratado em maio, ainda no início da Série B. As oportunidades só apareceram durante a competição e o zagueiro não decepcionou. 

“Estou feliz por esse momento. Cheguei e os torcedores não me conheciam. Hoje, estou ajudando o grupo e o time a conquistar os resultados. É um bom momento que estou passando, mas trabalho para a cada dia manter essa boa fase”, finalizou Néris.

O futebol atual - ou moderno - é recheado de conceitos em constante evolução. Um deles, ainda em processo de compreensão, é sobre função e posição dos jogadores. Não cabe mais chamar um treinador de retranqueiro por escalar três volantes ou zagueiros. Muito menos acreditar que este time será muito ofensivo com vários atacantes. As funções dos jogadores, hoje em dia, determinam a postura da equipe em campo. O que o atleta faz é fundamental e se sobrepõe ao que ele é, se zagueiro, volante, meio-campista ou atacante.

Com base neste conceito, o Blog Padrão Tático conversou com os técnicos de Náutico e Sport sobre o assunto. Os pontos de vistas e exemplos de Lisca e Eduardo Baptista mostram semelhanças sobre o conceito, e elevam o nível da discussão. A versatilidade dos jogadores, o trabalho nas categorias de base e a qualidade tática-técnica foram argumentos utilizados pelos treinadores.

##RECOMENDA##

O atual exemplo de versatilidade no Sport é Diego Souza e isto tem sido mostrado nesta temporada. O camisa 87 já atuou como meia centralizado, aberto pela esquerda, falso-nove e volante. Nas últimas partidas, quando o Leão esteve atrás do placar, Eduardo Baptista recuou seu jogador mais criativo. Assim, o meio-campista vindo com a bola da defesa deu mais qualidade à transição ofensiva e teve um bom desempenho. Confira na imagem abaixo as funções cumpridas por Diego Souza no time leonino.

“Um jogador moderno, à exceção de zagueiro e goleiro, não é mais volante, lateral ou atacante, ele tem função, e eu costumo escalar o jogador mais pelas características do que pela posição. Então, cabe a mim ter uma leitura dentro do setor que ele pode atuar. É preciso saber fazer uma cobertura, independente da posição.”, explicou o comandante leonino.

Mas não é fácil introduzir essa cultura no futebol brasileiro. Não apenas os atletas têm essa dificuldade, como também os jornalistas e os torcedores. O técnico do Náutico, Lisca, acredita que há uma mudança gradativa de pensamento e o caminho é sem volta, iniciado nas categorias de base. Desde cedo os atletas aprendem a ter funções e a desapegar da estática posição.

“Muita gente se detém na formação, nos números 4-1-4-1 ou 3-5-2. Mas o importante é a característica do jogador. Acredito muito na versatilidade. Procuramos o jogador que articula, faz gol, marca sem a bola e recompõe. Não é fácil, até pela cultura do futebol brasileiro. A gente ainda acredita muito na individualidade, fomenta o destaque individual. Aos poucos, vamos mudando essa mentalidade. Já tem uma metodologia nova de treinar futebol nas categorias de base nos clubes do Brasil e é fundamental para o desenvolvimento de sistemas e funções dos jogadores”, ressaltou Lisca.

A necessidade em o atleta entender o jogo e o que se passa em campo é cada vez mais necessário. Ter a bola no pé não é o suficiente para definir a partida. É preciso, sem a bola, ter movimentação para a recomposição e transição. Tudo isto de forma coletiva e em movimentos sincronizados à base de muito treinamento e estudo.  

Nesta sexta-feira (19), centenas de jovens protestaram pelas ruas do Recife. O grupo, formado em sua maioria por estudantes da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e integrantes do movimento da Frente de Luta pelo Transporte Público (FLTP) realizaram ato em prol da melhoria no transporte público e em memória do estudante da UFRPE Harlynton Santos - vítima fatal de acidente de ônibus, na última terça-feira (16).

Durante o movimento, a reitora da UFRPE Maria José de Sena, por meio de ofício ao Grande Recife Consórcio, solicitou diagnósticos acerca da relação entre demanda e oferta dos serviços, das condições de trabalho dos condutores e de possíveis projetos de melhoria do sistema de transporte público na Região Metropolitana no Recife, tendo em vista que o modal é utilizado por mais de 90% da comunidade universitária, bem como por considerável parcela da população local.

##RECOMENDA##

Além disso, Maria José pediu o acompanhamento direto às investigações, o que também foi protocolado oficialmente. “Não podemos aceitar que situações como essas, em quem dois jovens são mortos em pouco mais de um mês, sejam repetidas e repetidas sem qualquer tipo de providência. Queremos acesso às informações sobre o transporte público, pois a grande maioria da população depende dele”, ressaltou a reitora. 

* Com informações da assessoria de imprensa

Diferente do posicionamento da maioria dos membros do PSDB, o prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife (RMR), Elias Gomes, se manifestou nesta terça-feira (28) contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Para o tucano, a abertura de um processo seria uma decisão “precipitada, temerária”, podendo inclusive resultar numa “absolvição política” da petista. 

O chefe do Executivo também foi audacioso e pediu “maturidade e paciência” das lideranças políticas. “O PSDB não pode errar na dose”, alertou. Na avaliação do prefeito, um processo de impeachment, no atual cenário, seria “muito arriscado” e poderia expor o PSDB como um partido que, tendo disputado o segundo turno das últimas eleições, poderia estar em busca de um terceiro turno. 

##RECOMENDA##

“Não basta a manifestação das ruas para determinar se deve ou não abrir o processo, embora a voz das ruas seja um importante orientador. Deve-se aprofundar mais os aspectos de natureza jurídica, que poderiam reforçar o sentimento das ruas”, disse. Ele ressaltou que a ala que defende a ação precisa aguardar também os desdobramentos políticos, inclusive da decisão do TSE de convocar para depoimentos o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, delatores da Operação Lava Jato, no processo ajuizado pelo PSDB que investiga a campanha de 2014 da presidente Dilma.

Por enquanto, ressalta Elias, os tucanos devem continuar firmes na oposição, aprofundando o debate político mas tendo clareza das consequências de um processo de impeachment que fosse mal sucedido. “Hoje, diante desta crise de governabilidade nacional, creio que não há clima ainda. Colocar uma ação no Congresso pode representar a absolvição política da presidente, seria talvez dar um salvo-conduto a Dilma. É precipitado e arriscado”, analisou.

Diante da divisão que o tema vem provocando entre os tucanos, o prefeito destacou ainda as posições contrárias do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do senador José Serra e do governador Geraldo Alckmin – os três do núcleo paulista do PDSB – e também elogiou a posição do presidente nacional da sigla, o senador mineiro Aécio Neves. “Aécio tem sido um ponto de equilíbrio entre as duas correntes e julgo que ele está correto em aprofundar o estudo jurídico, para que não se fique ingressando com um tipo de ação tão grave, com um embasamento precário ou superficial”, analisou.

Contraditório – Apesar de cobrar maturidade do próprio partido e vê o impeachment como um risco, Elias Gomes, criticou o governo federal. “Lamentamos que a presidente Dilma e o seu núcleo político não reconheçam sua precária governabilidade, situação que leva o governo a fazer cada vez mais concessões a setores e partidos fisiológicos, que participam ofensivamente deste loteamento de poder. Foi este tipo de prática que gerou os mensalões, petrolões e ameaça continuar produzindo fatos deploráveis para a nação”, pontuou Elias.

Para o prefeito, falta ao governo coragem, humildade e espírito público para construir uma saída política da crise. “E para que possa pretender algum gesto da oposição, o governo teria que encurtar o atual mandato da presidente, que já está envelhecido e dificilmente terá as condições de se recompor. Agindo assim, Dilma sairia como estadista”, sugeriu o tucano.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando