Tópicos | Iphone

A Apple divulgou, na última quinta-feira (30), o resultado financeiro do terceiro trimestre. A companhia teve um aumento de faturamento em relação ao mesmo período de 2018, porém, puxado pelas vendas de serviços e de wearables como o Apple Watch. Dessa vez, a empresa capitaneada por Tim Cook bateu US$ 64 bilhões, contra US$ 62.900 do ano passado. Entretanto, a receita com iPhones fechou em baixa novamente.

Mas nem tudo são espinhos. Apesar do CEO da maçã afirmar que os novos iPhones 11 estão sendo mais procurados que seus antecessores, o que salvou o trimestre da companhia foram as vendas de iPods, vestíveis e - principalmente - serviços. Enquanto o smartphone da empresa fechou com US$ 33.362, cerca de 3 mil a menos do que o ano anterior, o iPad faturou US$ 4.656. Wearables e serviços como o Apple TV+ encerram o período com US$ 6.520 e US$ 12.511, respectivamente. 

##RECOMENDA##

“Com clientes e revisores elogiando a nova geração de iPhones, a estreia de hoje do novo AirPods Pro com cancelamento de ruído, a chegada tão esperada da Apple TV + a apenas dois dias de distância e nossa melhor linha de produtos e serviços de todos os tempos, estamos muito otimistas sobre o que o período de férias tem reservado”, disse Tim Cook em comunicado. 

Nesta quarta-feira (9), a Apple divulgou os preços dos seus lançamentos no Brasil. Focado na qualidade dos registros, os celulares iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max possuem multicâmeras e espaço entre 64 GB e 512 GB. As vendas em terras tupiniquins só iniciam no próximo dia 18.

Em comparação aos lançamentos de 2018, os novos aparelhos chegam mais baratos ao mercado. Enquanto o valor dos antigos XR, XS e XS Max variavam entre R$ 5.199 e R$ 7.999; para o 11, 11 Pro e 11 Pro Max, as cifras foram reduzidas em cerca de 4%, com valores entre R$ 4.999 e R$ 7.599, para a melhor versão.

##RECOMENDA##

Os novos iPhones contam com processador Apple A12 Bionic, câmera frontal de 12 megapixels - que filma em 4K a 60 fps -, uma bateria melhor -comparado aos antecessores-, além de ser à prova d'água.

As versões do iPhone 11 podem ser encontradas com 64 GB, 128 GB e 256 GB e custarão entre R$ 4.999 e R$ 5.799. Já o 11 Pro conta com 64 GB, 256 GB ou 512 GB, e o preço ficará estipulado entre R$ 6.999 e R$ 8.999. O modelo mais completo, o 11 Pro Max, também varia entre 64 GB e 512 GB, atingindo um investimento entre R$ 7.599 e R$ 9.599.

Um russo entrou com um processo contra a Apple por danos morais, argumentando que um aplicativo do iPhone o transformou em um homossexual - segundo cópia da denúncia, à qual a AFP teve acesso.

O autor da ação pediu uma indenização de cerca de US$ 15 mil por danos morais e psicológicos, depois de ter recebido uma criptomoeda chamada "GayCoin" por meio de um aplicativo do smartphone, no lugar dos bitcoins que havia comprado.

##RECOMENDA##

Segundo o advogado, seu cliente fez o download de um aplicativo de criptomoedas na Apple Store e recebeu uma transferência de 69 "GayCoins" com uma mensagem que dizia "Não julgue antes de testar".

"Decidi testar as relações sexuais. Dois meses depois, iniciei uma relação íntima com uma pessoa de mesmo sexo e agora não consigo voltar atrás", explicou. "Tenho um namorado estável e não sei como explicar isso a meus pais. Minha vida mudou para pior e nunca mais voltará a ser normal", acrescentou.

"A Apple me empurrou para a homossexualidade", afirmou ainda a suposta vítima. Os representantes da Apple na Rússia ainda não responderam aos contatos da AFP.

A Rússia se caracteriza pela homofobia e pelos frequentes ataques contra membros da comunidade LGTBIQ. Em 2013, foi aprovada uma lei contra "a propaganda gay".

Aqueçam seus motores e preparem suas bombinhas para dar a largada no novíssimo Mario Kart Tour. O game para mobile conquistou o pódio dos aplicativos para iOS mais baixados da semana trazendo a saudosa e popular corrida dos personagens da franquia Mario Bros. Na loja do Android, na aba de jogos, ele também é o mais requisitado.

Além do game e dos aplicativos de redes sociais, o ranking do iOS segue com o iFood em segundo lugar, o Adobe Lightroom em quinto e o app de compras Wish, na nona posição. Na Google Play Store, nos aplicativos gratuitos (que não incluem os jogos), o destaque fica para o TikTok, eleito o app mais baixado do mês de agosto.

##RECOMENDA##

Confira todos:

Google Play

Apple Store

O Apple Event deixou muita gente empolgada na última terça-feira (10), ao trazer novidades relacionadas ao iPhone 11, o Apple Watch, seus serviços de streaming, entre outros. Porém, com a chegada dos novos smartphones da maçã outro anúncio muito esperado era sobre o sistema operacional do aparelho.  

A companhia deixou claro que o novo iOS 13 chegará cheio de novas funcionalidades, incluindo modo noturno em todo o aparelho, suporte ao Apple Arcade, um mapa mais detalhado - com navegação em 3D, Sing with Apple e muito mais. Mas, infelizmente, nem todas as gerações do iPhone vão ser contempladas com a atualização do sistema. Se você quer saber qual aparelho vai receber as novidades, confira a lista completa:

##RECOMENDA##

iPhone 11

iPhone 11 Pro

iPhone 11 Pro Max

iPhone X S

iPhone X S  Max

iPhone X R

iPhone X

iPhone 8

iPhone 8 Plus

iPhone 7

iPhone 7 Plus

iPhone 6s

iPhone 6s Plus

iPhone SE

iPod touch (7ª geração)

LeiaJá também

--> Hi!Tech: Apple Event mostra nova cara do iPhone

--> Apple apresenta iOS 13 com modo escuro em todo software

--> Perdeu o Apple Event? Confira tudo o que rolou

Na última terça-feira (10), aconteceu mais uma edição do Apple Event que trouxe o lançamento do iPhone 11 e 11 Pro, nova geração de Apple Watch, preços e data de chegada dos serviços de streaming da maçã e muito mais. Além das novidades da gigante, outra notícia que também causou fortes emoções durante a semana foi a entrada da Amazon no Brasil. Quer saber todos os detalhes sobre as maiores notícias dessa semana? Então clica no vídeo e confere!

[@#video#@]

##RECOMENDA##

LeiaJá também

--> Perdeu o Apple Event? Confira tudo o que rolou

--> Apple Watch: o relógio de pulso do futuro

--> Apple event: iPhone 11 e 11 Pro chegam mais baratos

--> Apple Arcade chega ao mercado dia 19 de setembro

Se um dos anúncios mais esperados do Apple Event era o lançamento do iPhone 11, um dos mais surpreendentes não teve nada a ver com o aparelho. O painel de apresentação do Watch Series 5, novo relógio inteligente da maçã, se tornou muito mais do que uma apresentação de um smartwatch pela quantidade de funcionalidades apresentadas no gadget. O que começou com depoimentos tocantes sobre como o aparelho melhorou a vida de seus usuários, terminou com um vislumbre do que pode ser o futuro.

Sempre ligadão

##RECOMENDA##

Uma das primeiras mudanças anunciadas foi na aparência do relógio. A Apple estreou uma uma tela Retina Always-On que nunca dorme, ou seja, mesmo que você não esteja olhando diretamente para o acessório, ela continuará acesa, mas com menos brilho. Para fazê-la brilhar, basta mexer o braço (com o bom e velho movimento de ver as horas) ou tocar na tela. Tudo isso sem gastar tanto a vida útil da bateria, que promete ter uma duração diária de 18 horas, durante todo o dia.

GPS + Chamadas Internacionais de Emergência

O novo Apple Watch também está empenhado em fazer com que nenhum dos clientes da maçã se perca por aí. O Series 5 vem com uma nova bússola incorporada e o aplicativo Maps atualizado, que permitem que os usuários vejam para onde estão indo. Um novo aplicativo, Compass permite ainda ver rumo, inclinação, latitude, longitude e elevação atual. Tão bom quanto os melhores treinamentos de escoteiro. 

Para quem gosta de fazer trilha, além das novidades de localização está - sem dúvidas - uma das atualizações mais úteis e inteligentes: as chamadas internacionais de emergência. Sem precisar estar perto do iPhone, o relógio agora é capaz de fazer chamadas internacionais para serviços de emergência, independentemente de onde o dispositivo foi originalmente adquirido ou se o plano de celular foi ativado.

Ela também funciona com a "detecção de queda" um recurso que, se ativado, deve efetuar automaticamente uma chamada de emergência. Se o Apple Watch perceber que o usuário sofreu uma queda forte e permanecer imóvel por cerca de um minuto, o relógio vai ligar para os números que podem ajudá-lo. Isso pode fazer a total diferença em casos de acidentes em lugares remotos ou viagens.

 WatchOS 6: “Esse relógio diz a hora e outras coisas”

Para os recursos do sistema operacional, muita coisa do que foi anunciada na WWDC deste ano foi confirmada. Um dos destaques foi o aplicativo Cycle Tracking, para monitorar o ciclo menstrual, o Noise, que mede o barulho do ambiente e o Activity Trends no iPhone para monitorar suas próprias atividades. Infelizmente, a prometida e esperada Apple Store personalizada não foi mencionada durante a apresentação, fazendo pensar que este ainda é um sonho em progresso. 

E é claro, pulseiras coloridas

Nem novos aplicativos, nem as funcionalidades criativas, o que parece ter empolgado mesmo os desenvolvedores do Apple Watch foram as pulseiras coloridas. A aparência do relógio foi um dos destaques do painel. A empresa tem se esforçado em fazer com que seus consumidores tenham smartwatches personalizados, pelo menos externamente. São muitas pulseiras coloridas, modelos diferentes e diversas combinações, para ficarem bem em todas as ocasiões. 

Eles também são feitos em 100% de alumínio reciclável e titanium. Os valores do novo Apple Watch Series 5 varia de U$ 399 (o simples) e US $ 499 os com GPS, cerca de R$ 1620 e R$ 2025,50, respectivamente, na cotação atual. A série 3 fica mais barata com a chegada dos novos relógios e baixa para U$ 199 (R$ 808).

Na semana passada, o Google publicou que diversos iPhones teriam falhas graves de segurança. Nesta sexta-feira (6), a Apple resolveu desmentir algumas das declarações feitas pela gigante da internet a respeito da segurança de seus telefones. O ataque teria dado a hackers acesso a conversas em aplicativos de mensagens e dados pessoais. 

Mesmo afirmando que as vulnerabilidades foram corrigidas em fevereiro, a Apple afirma ter recebido diversas mensagens de clientes preocupados com sua privacidade. A maçã decidiu negou algumas das afirmações feitas da empresa, inclusive, a que informava que a invasão teria sido feita em aparelhos em massa. 

##RECOMENDA##

"A publicação do Google, feita seis meses após o lançamento dos patches para iOS, cria a falsa impressão de "exploração em massa" para "monitorar as atividades privadas de populações inteiras em tempo real", alimentando o medo, entre os usuários do iPhone, de que seus dispositivos haviam sido comprometidos. Este nunca foi o caso", garante a companhia.

De acordo com a Apple o ataque afetou menos de uma dúzia de sites que concentram conteúdo acessado por seus clientes. “Os ataques desses sites permaneceram operacionais apenas por um breve período, aproximadamente dois meses, e não ‘dois anos’, como o Google implica”, desmente a empresa. No comunicado, a Apple também afirma que todo o processo de correção foi feito em apenas 10 dias, após o conhecimento da vulnerabilidade e que, quando foram procurados pela gigante da internet, esses bugs já estavam sendo corrigidos. 

“A segurança do iOS é incomparável porque assumimos a responsabilidade total pela segurança do nosso hardware e software. Nossas equipes de segurança de produtos em todo o mundo estão constantemente interagindo para introduzir novas proteções e corrigir vulnerabilidades assim que são encontradas. Nunca interromperemos nosso trabalho incansável para manter nossos usuários seguros”, finaliza.

LeiaJá também

--> Dados de usuários do Facebook vazam na internet

--> Huawei alega ter sido alvo de ataques cibernéticos dos EUA

--> Procon multa Google e Apple por causa do FaceApp

A Apple já começou a contagem regressiva para o seu evento principal, marcado para acontecer dia 10 de setembro, em Cupertino, Califórnia. Usuários que seguem o perfil da maçã, no Twitter, devem ser avisados sobre as novidades anunciadas durante a conferência. A expectativa é que a companhia lance o novo iPhone 11, mas que também dê novas informações sobre serviços como o Apple TV e o Apple News, melhorias de softwares e até - quem sabe - anuncie novos gadgets vindo por aí.

O trio de iPhones

##RECOMENDA##

Tradicionalmente, setembro é um mês em que a Apple aproveita para lançar seus modelos de iPhone e, dessa vez, não deve ser diferente. Durante o evento devem ser anunciados três novos modelos do smartphone da maçã: o iPhone 11 Pro, o iPhone 11 Pro Max e o iPhone 11, substituindo o iPhone XS, XS Max e XR, respectivamente.

Mesmo com as expectativas altas em relação ao que esses novos aparelhos vão trazer, é possível que melhorias como a compatibilidade com internet 5G ou um scanner de impressão digital na tela só cheguem em modelos futuros. O que é mais provável que os novos smartphones tragam são atualizações de resistência contra acidentes (quedas, ou água) e um recurso de carregamento sem fio reverso, semelhante ao Samsung.

Apple Watch 

Outra grande expectativa é uma atualização dos smartwatches da empresa. Mesmo que, na WWDC deste ano, muita coisa tenha sido anunciada para os relógios inteligentes, sites especializados acreditam que a Apple poderia estar adicionando rastreamento de sono ao Apple Watch. O recurso já está presente em alguns wearables concorrentes, mas não nos da maçã. Um dos anúncios da WWDC, que ainda não foi implementado é a App Store autônoma para os aparelhos. A data dessa melhoria deve ser anunciada durante o evento. 

Sistemas Operacionais e serviços

A Apple já havia liberado a versão beta do iOS 13, mas é de se esperar que no evento oficial tenhamos informações de lançamento para iOS 13 , iPadOS, watchOS 6, tvOS, HomePod e macOS 10.15 Catalina.  Os serviços devem aparecer justamente com a confirmação dessas datas. O Arcade e o Apple TV Plus, entre outros produtos, devem ter seus valores revelados. 

Mac Pro

Um dos anúncios que mais causaram frisson na WWDC foi o lançamento do Mac Pro. A Apple fez grandes promessas para os usuários profissionais, criando expectativas entre os mais exigentes, mas nada de preço, data de lançamento ou tela que o acompanha foi divulgado. Espera-se que na próxima terça-feira (10) tudo seja, finalmente, revelado. 

Há um provérbio que diz que três coisas na vida nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida. No caso da Samsung, a propaganda lançada também poderia fazer parte desta lista. Isso porque a gigante coreana resolveu apagar alguns vídeos promocionais antigos em que “tirava uma onda”, da Apple. O motivo? A falta de um plugue P2 para conectar fones de ouvido, que agora também está ausente do novo smartphone da companhia o Galaxy Note 10.

A retirada dos comerciais do canal da empresa aconteceu no dia do lançamento dos novos aparelhos da linha Note. A empresa sul-coreana vinha apontando a ausência do conector como motivo de chacota, desde 2016, quando a maçã lançou o iPhone 7. Isso porque a falta de um conector impediria, por exemplo, o usuário de recarregar o celular e usar fone com fio ao mesmo tempo. 

##RECOMENDA##

[@#video#@]

As peças publicitárias, retiradas de alguns dos canais da companhia, sugeriam que a característica era uma limitação da rival e que, por isso, o usuário deveria trocar o seu o iPhone por um Galaxy S9 (smartphone lançado na época). Porém, com o lançamento do Galaxy Note 10 e do Note 10 Plus, a brincadeira perdeu um pouco do sentido.

De acordo com a Samsung, a retirada do conector foi necessária para que o desempenho da bateria fosse melhorado e é provável que a ausência continue nos próximos modelos top de linha da marca. Para compensar a falta do encaixe tradicional o aparelho traz na caixa um fone de ouvido AKG com conector USB-C, que é acoplado no mesmo conector do carregador.

Quem quiser carregar o smartphone e ouvir música ao mesmo tempo terá que fazer igual a propaganda do iPhone e comprar um adaptador de USB-C para P2 nas lojas da Samsung. O preço varia entre US$ 8 e US$ 10 (cerca de R$ 31 e R$ 39) nos Estados Unidos e nem os aparelhos, nem os adaptadores têm data para chegar ao Brasil.

[@#podcast#@]

A Apple está oferecendo uma recompensa aos pesquisadores que forem capazes de encontrar falhas em seus iPhones. O prêmio de até US $ 1 milhão é o maior valor já oferecido por uma companhia mobile para se defender contra hackers. A oferta foi feita por conta da crescente preocupação com os governos e criminosos invadindo dispositivos móveis de civis como jornalistas e defensores dos direitos humanos, afirma o site de notícias Reuters (em inglês).

A empresa da maçã oferece recompensas à pesquisadores convidados há alguns anos, para que possam encontrar falhas em seus telefones e backups na nuvem. Porém, o último montante oferecido pela companhia era de US $200 mil, para relatórios sobre bugs. Durante a conferência anual de segurança Black Hat, em Las Vegas - realizada na última quinta-feira (8), a empresa anunciou que abriria uma espécie de processo seletivo a todos os especialistas, que se tornariam elegíveis a uma série de ganhos pelas descobertas de segurança mais significativas.

##RECOMENDA##

O prêmio de US $ 1 milhão seria dado apenas ao acesso remoto ao kernel do iPhone, sem qualquer ação do usuário no aparelho. Além disso, a Apple está tomando outras medidas para tornar a pesquisa mais fácil, incluindo um telefone modificado, com algumas medidas de segurança desativadas. A companhia quer tentar minimizar as violações via falhas desconhecidas nos telefones, seus softwares ou aplicativos instalados.

Com uma semana agitada, cheia de anúncios de novidades do Google para o Pixel 4, aniversário de Harry Potter e queda nas vendas de produtos da Apple, o Hi!Tech traz aquele resumão para você não perder nada de importante. A cereja do bolo é um ranking com o lugar mais caro para se comprar um iPhone! Ficou curioso? Então clica no vídeo e aproveita!

[@#video#@]

##RECOMENDA##

A Apple anunciou nesta quarta-feira (31), os resultados financeiros do terceiro trimestre fiscal de 2019, encerrado em 29 de junho deste ano. Apesar do aumento de 1% na receita empresa, em relação ao mesmo período do ano passado, nem de longe esse crescimento foi marcado pela venda de seu maior produto. A venda de iPhones caiu cerca de 12%, em relação ao mesmo período de 2018.

De acordo com a empresa, que registrou receita trimestral de US $ 53,8 bilhões, as vendas internacionais representaram 59% do lucro trimestral e os grandes responsáveis por isso foram os Wearables e o lançamento de serviços como  Apple News +, Apple Card, Apple TV e Apple TV+, entre outros.

##RECOMENDA##

"Este foi o nosso maior trimestre de junho de todos os tempos - impulsionado pela receita recorde de todos os tempos dos Serviços, acelerando o crescimento da Wearables, forte desempenho do iPad e Mac e melhoria significativa nas tendências do iPhone", disse Tim Cook, CEO da Apple.

Em relação ao comparativo das vendas pela internet, em um período de nove meses, a maçã deixou de lucrar US$ 11 mil com vendas online. A maior baixa veio da venda de iPhones,que teve seu último modelo lançado no final de 2018. Os serviços, que fizeram a receita da maçã manter a estabilidade foram anunciados no Apple Worldwide Developers Conference (WWDC), junto com novas opções de Apple Watches.

Uma pesquisa realizada pelo Deutsche Bank Research, apontou o Brasil como lugar mais caro do mundo para comprar um iPhone XS de 256 GB. O ranking levou em consideração o valor do aparelho em 40 países, incluindo Argentina, Estados Unidos e Japão.

A lista apontou que, em terras tupiniquins, o aparelho chega a custar US$ 2.050, o equivalente a R$ 7.708, no câmbio atual. Na prática, o modelo pode ser encontrado com valores entre R$ 6.150 e R$ 7.351.

##RECOMENDA##

O preço brasileiro é seguido quase que de perto pelo segundo lugar, ocupado pela Turquia - onde comprar um iPhone XS custa US$ 1.880 (R$ 7.065) e Argentina por US$ 1.776 (R$ 6.675).

Agora, se você está pensando em comprar um modelo fora do país os mais baratos são disponibilizados na Nigéria, onde é possível adquirir o aparelho por US$ 1.178 (R$ 4.427), Estados Unidos US$ 1251 (R$ 4.701) e Japão, por US$ 1.256 (R$ 4.720).

[@#galeria#@]

Uma falha de segurança, que permitia travar completamente os aparelhos da Apple, foi descoberta pelo Google após uma pesquisa de segurança. A vulnerabilidade existia no iMessage do macOS e no iPhone e era ativada após o envio de uma “mensagem bomba”, que o aplicativo era incapaz de lidar, travando em seguida ao recebimento.

A correção foi feita no iOS 12.3.1, mas só agora a gigante da internet liberou os detalhes da execução, que faz parte do Projeto Zero do Google. Uma equipe de especialistas trabalha para a empresa focada em encontrar vulnerabilidades em qualquer programa de uso comum dos usuários de internet. A intenção da empresa é tornar o ambiente digital mais seguro.

##RECOMENDA##

O problema do aplicativo da Apple foi identificado em abril, mas a divulgação ocorreu apenas no mês de julho, quando a falha foi corrigida. Apesar de parecer somente uma trava em aplicativo, o iMessage faz parte do sistema do iPhone, em um componente chamado de "Springboard", e - ao receber a mensagem bomba, travava toda a interface do sistema, impedindo o uso do aparelho, o que não acontecia no macOS, por exemplo. 

Caso isso tenha acontecido com você existem três formas de recuperar o telefone:

Limpar os dados do aparelho pelo "Find my iPhone" (Buscar iPhone);

Colocar o iPhone em modo de recuperação e realizar uma atualização de software pelo iTunes, para conseguir a versão mais recente;

Desligar o Wi-Fi (ou sair de perto de qualquer sinal do tipo), retirar o chip e redefinir o aparelho pelo menu no sistema;

Por fim, com a versão do iOS mais recente você estará protegido. 

Um homem, residente da cidade do Porto, em Portugal, é acusado de enganar pelo menos 15 pessoas na compra de iPhones, na Região Metropolitana do Recife (RMR). Segundo os advogados, o golpe financeiro já soma R$ 40 mil. O suspeito atraía os clientes com preços baixos e formas de pagamento facilitada, mas enviava caixas vazias pelos Correios. 

Natural de Recife, o criminoso é responsável pela empresa virtual 'EgiPhones", na qual seduzia os clientes com falsas promessas. Após as primeiras denúncias, ele excluiu a conta no Instagram e deixou de responder. Só uma denunciante, que revende celulares, afirmou que teve o prejuízo de aproximadamente R$ 17 mil.

##RECOMENDA##

Os advogados também revelaram que as vítimas receberam o mesmo código de rastreio e quando o questionavam sobre demora na entrega, eram respondidas com agressões e ameaças. Há a suspeita que 25 pessoas caíram no golpe.

Já foram formalizadas 11 queixas no Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri), em Afogados, Zona Oeste do Recife. Na próxima segunda-feira (1º), mais quatro vítimas oficializarão a denúncia. No mesmo dia, o pai do suspeito será ouvido às 9h, na Delegacia de Olinda.

[@#video#@]

Em Bekasi, na Indonésia, um bebê foi registrado com o nome de Google, pois os pais têm esperança de que, futuramente, ele possa ajudar muitas pessoas e se tornar útil assim como o mecanismo de busca da web. Ella Karin, 27 anos, e Andi Cahya Saputra, 31 anos, ainda pensaram em dar ao filho o nome de Windows, Microsoft, iPhone e iOS.

O casal teve o bebê em novembro de 2018, mas a notícia da escolha inusitada do nome só chegou agora à imprensa local. Andi contou que teve a ideia de batizar o filho com um nome inspirado na tecnologia quando a esposa estava grávida de sete meses.

##RECOMENDA##

Foto: Reprodução / Asiawire

A criança não possui nenhum sobrenome porque, segundo o pai, isso "diluiria a essência do nome". Andi também admitiu que demorou um tempo para que a família, incluindo a mãe do bebê, se acostumassem com o nome inusitado, mas agora Ella espera que o filho se torne "um líder".

A Apple Worldwide Developers Conference (WWDC) 2019 começou e um dos primeiros painéis desta edição foi para mostrar as novidades do Apple Watch. Quem estava esperando por novas “facewatchs” não saiu desapontado.  Ao todo, foram apresentadas sete novas capas para o smartwatch da maçã, com algumas outra melhorias, incluindo uma atualização do software, que passa a ser watchOS 6.

Uma Apple Store própria

##RECOMENDA##

A Apple também está trazendo mais aplicativos para o acessório, incluindo audiobooks, gravadores de voz e calculadora - que tem uma função para dividir a conta do bar com os amigos. Todos os aplicativos agora poderão ser executados sem a necessidade de um complementar no iPhone, agindo de forma independente.

Eles serão encontrados em uma Apple Store feita especialmente para o gadget, que permite navegar, pagar e baixar aplicativos diretamente no próprio relógio. Também será possível baixar atualizações de software para o relógio.

Aplicativos de saúde

Uma das coisas que os usuários do Apple Watch mais utilizam são os aplicativos de saúde. Por conta disso, a empresa da maçã está dando mais informações de atividade e formas de monitorar a saúde de seus usuários. Seja a auditiva, com um aplicativo que monitora o volume dos ambientes- mas que promete não gravar seus áudios quando for utilizado.

Uma ferramenta para  monitorar o ciclo menstrual também foi um dos destaques do relógio. Você pode saber quando vai começar a menstruação, quando estará fértil e colocar informações sobre o fluxo e dores que acontecem durante o período. Essa função foi anunciada também para os iPhones, sem a necessidade de um Apple Watch.

A Microsoft lançou uma série de novidades para o Microsoft 365 e seus aplicativos para smartphones. Uma delas permite ao usuário importar planilhas e tabelas do Excel para iPhone usando uma câmera. O recurso, que já estava disponível no Android desde março, permite tirar uma foto de uma tabela de dados impressa e a convertê-la em uma tabela totalmente editável no aplicativo. É possível importá-la com o Excel para iOS e continuar a editá-la usando o Excel para Windows ou Mac.

A empresa usa inteligência artificial para trazer os dados do Excel para iPhone. O aplicativo usa o reconhecimento óptico de caracteres (OCR), junto com modelos de aprendizado de máquina para converter dados em papel em uma tabela digital.

##RECOMENDA##

Essa funcionalidade de reconhecimento de imagem elimina a necessidade de inserir os dados manualmente. O novo recurso está disponível em 21 idiomas e já pode ser encontrado no aplicativo.

[@#video#@]

LeiaJá também

--> Microsoft apresenta kernel do Linux para Windows 10

--> Minecraft celebra 10 anos com jogo de realidade aumentada

As relações comerciais entre Estados Unidos e China estão estremecidas há algum tempo. Porém, uma recente decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, que coloca a empresa chinesa Huawei Technologies Co e outras 70 afiliadas em uma "Lista de Entidades", pode gerar um impacto ainda mais negativo, principalmente, para os clientes da companhia norte-americana Apple.

A lista criada por Trump visa impedir que empresas chinesas adquiram componentes e tecnologia de companhias norte-americanas sem aprovação prévia do governo do país. Além disso, o presidente assinou um decreto que impede as organizações estadunidenses de usarem equipamentos de telecomunicações produzidos por empresas que possam oferecer risco à segurança nacional - ou seja, que estejam na “Lista de Entidades”.

##RECOMENDA##

A China não gostou da decisão do presidente dos EUA e, em resposta, elevou de 10% para 25% as tarifas alfandegárias de mais de 5 mil produtos norte-americanos. Este aumento deve impactar diretamente no valor dos produtos da Maçã.

Mas o que isso tem a ver com o Iphone?

O tiro de Trump é certeiro no pé da Apple porque um de seus produtos mais populares, o iPhone, é fabricado quase que inteiramente na China. Ou seja, tanto ele quanto outros produtos da empresa produzidos em território chinês, podem ser taxados com o imposto de importação de 25%.

A saída imediata para contornar o aumento é elevar os preços dos aparelhos, que já não são baratos. O problema é que, se isso acontecer, o risco de as vendas serem prejudicadas é alto, uma vez que um dos motivos principais na queda da procura por aparelhos da marca são os preços.

Uma nova esperança

A esperança fica na visita que o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que fará ao território chinês, visando acordos comerciais. Caso as duas potências cheguem a um denominador comum uma revisão de tarifas pode ser feita, diminuindo o impacto no bolso do consumidor final e no lucro das empresas dos dois países.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando