Cultura

| Literatura

O Shopping Riomar recebe a sétima edição do Festival RioMar de Literatura, na próxima sexta (26). Em parceria com a Academia Pernambucana de Letras (APL), o evento homenageia, este ano, os escritores Margarida Cantarelli e José Paulo Cavalcanti Filho e conta com a participação da atriz Fabiana Karla, do cantor e poeta Petrúcio Amorim e apresentações teatrais da Dispersos Cia. de Teatro.

A programação do festival começa às 14h30, com Luzilá Gonçalves, da  APL, e Carmen Peixoto, gerente de relações institucionais do Riomar. Em seguida, um painel em homenagem a Margarida Cantarelli, atual presidente da APL, contará também com as participações de Luis Alberto Gurgel de Faria, ministro do Superior Tribunal de Justiça, e Creuza Aragão, professora e ex-secretária de Educação. O segundo painel será voltado a José Paulo Cavalcanti Filho, com o cientista e professor Silvio Meira e o cardiologista Carlos Roberto Ribeiro de Moraes.

##RECOMENDA##

Entre um painel e outro, a Dispersos Cia de Teatro apresenta trechos de obras e textos dos homenageados além de poemas portugueses. Já a atriz Fabiana Karla e o cantor Petrúcio Amorim complementam a programação cantando e falando de sua relação com a literatura. As inscrições para o evento podem ser feitas na hora, no teatro RioMar.

Serviço

VII Festival RioMar de Literatura

Sexta (26)  | 14h30

Teatro RioMar - Shopping RioMar

Gratuito

 A cidade de Serra Talhada, no Sertão de Pernambuco, sedia mais uma vez a Festa Literária de Serra Talhada- Flist. O evento acontece de 7 a 10 de maio, na Estação do Forró e no Museu do Cangaço, na Vila Ferroviária.

A Flist reúne escritores e poetas nacionais e da região. Nesta edição, Bráulio Tavares, Vera Ferreira, Chico Pedrosa , Feliciano Felix e Isabelly Moreira estarão presentes. Palestras, mesas de diálogos, conferências, oficinas, contação de histórias e lançamentos de livros também fazem parte da programação.

##RECOMENDA##

O evento tem produção da Fundação Cultural Cabras de Lampião, em parceria com a Secretaria de Cultura/Prefeitura Municipal de Serra Talhada e é realizada pelo Ministério da Cidadania/Governo Federal.

Serviço

Flist- Festa Literária de Serra Talhada

7 a 10 de maio

Estação do Forró e no Museu do Cangaço (Vila Ferroviária, Serra Talhada)

A maior livraria flutuante do mundo vai atracar em portos brasileiros este ano com mais de 5 mil livros a bordo. A partir de agosto, o Logos Hope passará pelos municípios de Santos, Rio de Janeiro, Vitória, Salvador e Belém, respectivamente.

Ao atracar nos portos, a proposta é promover projetos sociais e de ajuda humanitária com apoio de 400 voluntários. Segundo a empresa alemã GBA Ships, responsável pelo navio, pelo menos 47 milhões de pessoas em 150 países já subiram na embarcação em quase quatro décadas de atuação.

##RECOMENDA##

O Logos Hope como é conhecido hoje começou a atuar em fevereiro de 2009, mas a história do navio já soma cerca de quatro décadas, quando as embarcações eram batizadas com outros nomes. Logos, em grego, significa "a palavra". A embarcação tem capacidade para 442 pessoas. Somente no Logos Hope, já foram vendidos mais de 8 milhões de obras. A embarcação recebeu mais de 7 milhões de visitantes.

A primeira cidade a receber o navio será Santos, a partir do dia 23 de agosto. Em Santos, são esperados cinco mil visitantes por dia. Em março, a Prefeitura de Santos entregou uma carta de boas-vindas à GBA Ships.

O navio ficará no município litorâneo até 17 de setembro, quando seguirá para o Rio de Janeiro. Lá, ficará atracado até 8 de outubro. O navio permanece em Vitória entre os dias 9 e 22 de outubro. Em seguida, continua a viagem até Salvador, onde estará entre os dias 24 de outubro e 12 de novembro.

O último município a receber o Logos será Belém, no dia 18 de novembro. A embarcação deixa a capital paraense no dia 6 de dezembro, dando continuidade ao percurso em outros países da América Central.

A feira flutuante contém títulos voltados para educação complementar, interesses profissionais e de carreira, desenvolvimento pessoal, entre outros. Há uma sessão voltada somente para crianças.

A maioria das obras disponíveis é em inglês, mas a empresa busca se adaptar à língua da comunidade local. Quando o navio atraca nos portos, é organizada uma estrutura para doação de livros.

Após cumprir três anos e meio de prisão por tráfico de drogas, Carlos Alves dos Santos, de 52 anos, deixou o Presídio de Salgueiro (PSAL) acompanhado pela ansiedade de lançar seu segundo livro, intitulado “A moldura”, dessa vez em liberdade e junto a sua família. Em agosto do ano passado, o ex-reeducando já havia apresentado a obra “O pensador”, através da qual pôde compartilhar seus sentimentos com os colegas de detenção.

Além de escrever, Carlos já tinha uma carreira musical desde os 12 anos de idade. Aos 20, ele compôs a canção “Eu Vou Pedir a Lua”, que teve boa repercussão na voz do cantor Hilton Vargas. Nascido no distrito de Ibó, na cidade de Belém de São Francisco, no sertão de Pernambuco, o poeta já tem quatro discos gravados e é pai de três filhos.

##RECOMENDA##

“Aqui [a prisão] foi a minha escola do conhecimento e da criatividade, jamais do crime, pois estudei, cantei e ainda virei poeta, saio feliz”, contou Carlos. De acordo com ele, seu próximo livro aborda o machismo na sociedade moderna.

“O que importa para a gente é o resultado final. Carlos nos dá ânimo para incentivar projetos como o de Remição pela Leitura, de canto, cursos profissionalizantes, estudo e trabalho”, explica Francenildo Bezerra, gerente do PSAL, onde Carlos concluiu o Ensino Fundamental 2. Agora, o ex-reeducando ficará sob o regime aberto vinculado ao Patronato Penitenciário de Pernambuco.

Hoje, 23 de abril é considerado o Dia Mundial do Livro. De acordo com a pesquisa Retratos de Leitura no Brasil, o brasileiro lê, em média, 2 livros por ano. Diante da crise que se instalou no mercado editorial e livreiro, o grande desafio continua sendo estimular a leitura entre crianças, jovens e até mesmo adultos.

O Leia Já separou uma lista especial de livros para comemorar esse dia. Confira:

##RECOMENDA##

 

1 – O Conto da Aia – Margareth Atwood 

Escrito em 1985, o livro ganhou a atenção do mundo com a adaptação televisiva estrelada por Elizabeth Moss. O livro narra uma realidade futurista, onde mulheres tornam-se propriedade do governo e, além de oprimidas, servem como gestantes a fim de sanar uma crise de infertilidade instalada na Nova Inglaterra. O livro permanece na lista dos mais vendidos da Revista Veja em sua 67ª semana.

2 - Outros Jeitos de Usar a Boca - Rupi Kauar

A indiana Rupi Kauar revelou-se um novo nome da poesia. Publicado inicialmente de forma independente, o livro tornou-se um fenômeno mundial com seus poemas que falam de dor amor, ruptura e cura. Ela estabeleceu uma  linguagem que dialoga direto com a geração mais jovem e identifica seus dilemas através de textos profundos e tocantes.

3 - Boneco de Neve - Jo Nesbo

O detetive Harry Hole se vê diante de uma série de crimes no rigoroso inverno da cidade de Oslo, Noruega. O assassino espalha pistas em bonecos de neve com partes humanas nas casas de suas vítimas, criando um quebra cabeça e um enorme desafio para o detetive. Dono de uma narrativa eletrizante, o escritor Jo Nesbo, cria uma história de tirar o fôlego com final surpreendente. Considerado um de seus melhores livros, chegou a ser comparado ao célebre "O Silêncio dos Inocentes"(1988) de Thomas Harris.

4 - A Revolução dos Bichos - George Owell

Apontado pela revista Times como um dos melhores romances da língua inglesa de todos os tempos, A Revolução dos Bichos satiriza questões de hierarquia e poder. Os animais da fictícia Granja do Solar possuem características humanas e decidem questionar as decisões de seu dono, o senhor Jones. Owell traz reflexões filosóficas e de relações neste livro pulicado pela primeira vez em 1945.

5 - O Homem Mais Inteligente da História - Augusto Cury

O psiquiatra paulista Augusto Cury é o autor mais vendido da década. Seus livros já ultrapassam a marca de 28 milhões. O Homem Mais Inteligente da História narra uma reunião onde cientistas e teólogos debatem sobre a vida e a inteligência de Jesus Cristo. Os assuntos vão desde a violência contra as mulheres, até terrorismo e suicídio.

Por André Filipe

  Exaltando o valor histórico e cultural das fortificações pernambucanas, a exposição e o livro homônimos ‘NOVAS (velhas) BATALHAS - Educação patrimonial no contexto das fortificações de Pernambuco’ serão lançados na segunda-feira (22), às 9h, no Museu da Cidade do Recife (PE), no Forte Das Cinco Pontas.

A publicação é do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), e é resultado do projeto ‘Educação e Patrimônio compartilhado: Brasil e Holanda’. Ao longo de 2018 o projeto mobilizou professores e alunos de sete escolas do Recife e da Ilha de Itamaracá, para a elaboração de um inventário participativo, desenvolvido pela Coordenação de Educação Patrimonial do Iphan. O levantamento traz significativo registro das referências culturais relevantes para a valoração e preservação das fortificações.

##RECOMENDA##

A exposição homônima amplia o conteúdo abordado no livro e conta o auxílio de projetores, tabletes, vídeos e efeitos sonoros para transmitir ao público as vivências de cada história contada no livro. A mostra ficará aberta a visitação pelo período de seis meses no Museu da Cidade do Recife, podendo seguir depois em itinerância para as outras fortificações

Serviço

Lançamento do livro e da exposição 'NOVAS (velhas) BATALHAS - Educação patrimonial no contexto das fortificações de Pernambuco'

22 de abril | 9h às 12h

Museu da Cidade do Recife ( Praça das Cinco Pontas, s/n - São José, Recife)

*Com informações da assessoria

O LeiaJá preparou uma lista especial com clássicos da literatura infantil para instigar a criação do gosto pela leitura nas crianças e, claro, relembrar os momentos mágicos da infância. 

1 - "O Pequeno Príncipe", de Antoine de Saint-Exupéry

##RECOMENDA##

A obra é de Antoine de Saint-Exupéry está entre os livros mais traduzidos do mundo. Sua primeira publicação data de 1943 e a história já foi adaptada várias vezes para o cinema. Conta a história de um piloto de avião que se vê perdido no deserto e encontra um menino que diz vir de outro planeta.

2 - "Reinações de Narizinho", de Monteiro Lobato

 

Com primeira publicação em 1931, o livro foi o nascimento do universo de "Sítio do Picapau Amarelo", clássica série que encantou uma geração.

3 - "O Touro Ferdinando", de Munro Leaf

O clássico infantil, publicado em 1938, ganhou adaptação para o cinema em 2017. Conta a história de um touro que, diferente dos outros com quem cresce e convive, não sonha em vencer na arena. Ele não gosta de lutar, é calmo, amigável e ama flores. O livro é repleto de ilustrações.

4 - "O Menino Maluquinho", de Ziraldo

Lançado em 1980, foi o livro que consagrou o escritor e cartunista brasileiro Ziraldo. A história de um menino como diz o título, maluquinho, e também muito alegre e sempre envolvido em aventuras também ganhou adaptação para o cinema. 

5 - "A Parte Que Falta", de Shel Silverstein

O livro publicado pela primeira vez em 1976 traz um protagonista incompleto, como uma pizza com um pedaço faltando, e que está em busca de outro pedaço para ser feliz. O livro demonstra essa busca humana por completude com outra pessoa e sobre ser completo sem necessitar dos outros. Em 1981, o livro ganhou a continuação, intitulada "A Parte que Falta Encontra o Grande O". 

por Valéria Campello 

Neste ano a obra do escritor Monteiro Lobato (1882 – 1948) entrou em domínio público. Diversas editoras preparam reedições de seus livros previstos para chegarem à praça no segundo semestre.

Além de obras conhecidas como “Urupês” e a série infantil “Sítio do Pica-Pau Amarelo”, o escritor de Taubaté ainda tem material a ser revelado. O pesquisador Pedro Rubim revelou ao jornal O Estado de S. Paulo que possui em seu acervo 62 cartas, escritas por Lobato entre 1918 e 1948, endereçadas ao poeta Cesídio Ambrogi e outros destinatários.

##RECOMENDA##

As cartas revelam que Lobato era rejeitado pela elite intelectual de sua cidade natal e por isso guardava certa mágoa. O escritor era crítico do comportamento dos barões do Vale do Paraíba e afirmava isso em publicações em artigos de jornais e livros como “Cidades Mortas”(1919).

O material será publicado na íntegra nesta quinta-feira (18) na plataforma online Almanaque Urupês.

Por André Filipe

O romance de Victor Hugo "Notre-Dame de Paris" tornou-se o número um de vendas pela internet e em muitas livrarias a obra está esgotada desde o terrível incêndio que destruiu parcialmente na segunda-feira a mundialmente famosa catedral parisiense.

Após os ataques de 13 de novembro de 2015 em Paris, o mesmo fenômeno foi observado com o livro "Paris é uma festa" do americano Ernest Hemingway.

##RECOMENDA##

Diante da demanda, os editores do romance em formato de bolso decidiram lançar novas tiragens e doar os lucros ao fundo lançado para financiar a reconstrução do edifício.

Escrito em 1831, "Notre-Dame de Paris", do poeta e romancista francês Victor Hugo, se passa em 1482 na época do reinado de Luís XI. O romance foi adaptado muitas vezes ao cinema.

Uma passagem no romance é particularmente digna de nota hoje.

"Todos os olhares se dirigiam para a parte superior da catedral e era algo extraordinário o que viam: na parte mais elevada da última galeria, acima da rosácea central, uma grande chama subia entre os campanários com turbilhões de faíscas, uma grande chama revolta e furiosa".

Em torno dos personagens Quasimodo e da cigana Esmeralda, Victor Hugo fez da catedral a verdadeira heroína de "Nossa Senhora de Paris", com o objetivo de chamar a atenção sobre o estado de decrepitude do monumento.

Na época, o sucesso da obra provocou um movimento cidadão que foi capaz de fazer com que as autoridades reabilitassem a catedral.

O romance "Notre-Dame de Paris" também está disponível gratuitamente e legalmente na Gallica, biblioteca digital da Biblioteca Nacional da França (https://gallica.bnf.fr).

[@#galeria#@]

Foi lançado em São Paulo, no Shopping Center Norte, no dia 2, e em Belém, no dia 11, na livraria da Fox, o livro "Maternidade & autismo, a ligação umbilical que transformou vidas", da jornalista Carol Boralli. O lançamento marcou a passagem do Dia Mundial de Conscientização do Autismo.

##RECOMENDA##

Resultado do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado à UNAMA - Universidade da Amazônia, o livro reportagem fala sobre a relação de uma mãe com a filha autista. A obra relata aspectos da educação e relações familiares de pessoas portadoras do TEA (Transtorno do Espectro Autista) e transcorre desde o diagnóstico positivo da menina até a defesa da dissertação de Mestrado da mãe, Eliana Boralli.

Para Carol Boralli, tanto em São Paulo quanto em Belém, a noite de autógrafos representou momento especial que significou o início de uma carreira. “Como jornalista recém-formada, vou adentrar essa área do jornalismo literário, e pretendo fazer vários livros reportagens. Esse foi apenas o primeiro”, disse a autora.

A ideia de escrever sobre esse assunto teve uma motivação: o autismo é um tema que tem ganhado bastante abrangência e relevância, porque muitas pessoas vêm tendo interesse em entender o que é o transtorno. "Isso é primordial, porque é importante que as pessoas conheçam, compreendam o que é, pois isso faz com que diminuam o preconceito e opiniões estereotipadas de lugar comum", explica a autora.

Por Ramon Almeida.

 

A catedral de Paris, arrasada por um grande incêndio nesta segunda-feira, também é conhecida no mundo inteiro graças à obra do escritor Victor Hugo "O corcunda de Notre-Dame", romance adaptado um grande número de vezes para o cinema, em especial pelos estúdios Disney, ou transformado em comédia musical.

Foi para salvar o monumento, fortemente degradado, que o escritor começou a escrever esta obra, em 1831.

##RECOMENDA##

No capítulo intitulado "Nossa Senhora", Victor Hugo escreveu: "Ainda hoje a igreja de Nossa Senhora de Paris continua sendo um sublime e majestoso monumento".

Mas, acrescentou, "por mais majestoso que se tenha conservado com o tempo, não se pode deixar de se indignar ante as degradações e mutilações de todo tipo que os homens e a passagem dos anos infligiram a este venerável monumento".

No prólogo de seu livro, Victor Hugo se queixava de como eram tratadas "há 200 anos estas maravilhosas igrejas medievais". "As mutilações vêm de todos os lados, tanto de dentro como de fora", lamentava.

A publicação da obra chamou a atenção geral sobre o estado "inadmissível" do monumento.

O movimento de opinião levou à decisão de estabelecer um concurso no qual participaram vários arquitetos, incluindo Lassus e Viollet-le-Duc, cujo projeto de reabilitação do monumento foi aceito em 1844.

Em julho de 1845, foi aprovada uma lei para restaurar a catedral. O objetivo de Victor Hugo finalmente foi alcançado.

Victor Hugo salvou Notre-Dame. Desde o surgimento de sua obra, o mundo inteiro imagina que a catedral está habitada pelos fantasmas de Esmeralda, do corcunda Quasimodo e de Frollo.

Na nota redigida pelo romancista com motivo da publicação da edição definitiva de sua obra (1832), recordava que seu livro era um grito contra "a decadência atual da arquitetura e sobre a morte".

George R.R. Martin, o escritor americano e autor da saga que inspirou a famosa e sangrenta série "Game of Thrones", criou uma grande variedade de mundos de fantasia com inspirações que vão da era medieval ao futuro sci-fi.

Graças ao sucesso de seus livros, o escritor de 70 anos, sempre visto de barba branca, gorro, óculos e suspensórios, se transformou em 2016 no 12º autor mais bem pago do mundo, segundo a revista Forbes.

##RECOMENDA##

Fã de história medieval e mitologia, apaixonado pela Guerra das Rosas, vendeu mais de 85 milhões de exemplares de sua saga, traduzida para 47 idiomas.

Sua obra, com dezenas de romances, inclui também ficção científica ("Uma canção para Lya"), fantasia ("The Armageddon Rag"), terror ("Nômades Noturnos") e HQ ("Wild Cards").

George Raymond Richard Martin, filho de um estivador, nasceu em 20 de setembro de 1948 em Bayonne, Nova Jersey.

"Fui criado em uma moradia popular. Éramos pobres [...] nunca viajávamos no verão. Mas os livros me levaram a todo lugar", diz esse leitor voraz em entrevista ao canal americano PBS.

Quando era criança, escrevia histórias de monstros que vendia para os amigos por algumas moedas,e mais tarde histórias de super-heróis para fanzines de sua escola.

Com 13 anos se impressionou com "O Senhor dos Anéis", de J.R.R. Tolkien.

"A partir do momento em que Gandalf morre, o suspense se multiplica por mil, porque qualquer um pode morrer".

Estudou jornalismo na Universidade de Northwestern University e foi contra a Guerra do Vietnã.

Em 1972, quando o americano Bobby Fischer se transformou em campeão mundial de xadrez, gerando forte interesse pelo jogo, George R.R. Martin foi contratado para ser juiz de xadrez nos finais de semana, o que deixava "cinco días livres para escrever" e proporcionava dinheiro suficiente para pagar as contas, disse ao jornal The Independent.

- "Um peso enorme" -

Começou a publicar nos anos 1970 com romances curtos e depois trabalhou em roteiros para séries de TV como "Além da Imaginação" e "A Bela e a Fera", sem nunca deixar de escrever.

"Cada vez que apresentava um roteiro, me diziam: 'George, gostamos, mas é cinco vezes nosso orçamento'".

"A batalha, em que coloquei 10.000 pessoas se transformava em um duelo entre o herói e o cara malvado", disse em entrevista à Time.

Após vários projetos para televisão não aprovados, passou a se dedicar apenas à literatura, pensando em "escrever algo tão grande como [sua] imaginação, com todos os personagens que queria, castelos gigantes, dragões, lobos, centenas de anos de história e uma trama realmente complexa.

Ou seja, algo impossível de filmar", contou sobre sua saga "Canção de Gelo e Fogo", que começou em 1991 com a ideia de fosse uma trilogia.

Quando os livros entraram na lista dos mais vendidos e o "Senhor dos Anéis" foi adaptado para o cinema, Hollywood se mostrou interessado.

O autor era contra filmes centrados nos personagens Jon Snow e Daenerys e recusou as propostas de filmes baseados no primeiro livro.

Mas em um encontro em 2006 com os roteiristas David Benioff e D. W. Weiss um entendimento foi alcançado, conduzindo ao lançamento de "Game of Throne" em 2011 pelo canal HBO.

A transmissão da última temporada da série começa em 14 de abril, a partir de elementos que George R.R. Martin deu aos roteiristas "há cinco ou seis anos".

"Mas podem ter acontecido mudanças e acrescentado muitas coisas", reconheceu o autor, que não leu os últimos roteiros, como disse em entrevista à revista Rolling Stone.

Apesar disso, ainda não terminou os dois últimos livros da saga, o que gera impaciência e muitas vezes mal-estar entre os fãs.

"Sou muito consciente de que devo fazer algo grandioso", disse ao jornal The Guardian. "É um peso enorme".

O livro Ágape, lançado em 2010 pelo padre Marcelo Rossi, teve sua venda proibida por violação de direitos autorais. A liminar foi concedida na última quinta (11), pelo desembargador Gilberto Campista Guarino, da 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). O padre e a editora Globo podem recorrer.

A autora do pedido foi a escritora Izaura Garcia, que afirma que o trecho Perguntas e Respostas - Felicidade! Qual é? é dela, tendo sido primeiramente publicado no livro Nunca deixe de sonhar, em 2002. Em Ágape, o trecho aparece como sendo de Madre teresa de Calcutá. A escritora pede indenização por violação de direitos autorais no valor de R$ 50 milhões.

##RECOMENDA##

Sendo assim, o desembargador Guarino determinou a suspensão da venda da obra do padre: "Defiro parcialmente a tutela provisória de urgência, a fim de que os agravados suspendam a publicação, distribuição e venda de exemplares da obra Ágape, até que comprovem a retificação de autoria do texto Perguntas e Respostas - Felicidade! Qual é?, nela veiculado, atribuindo-o corretamente à agravante, ou até que o suprimam, sob pena de multa equivalente ao dobro do valor comercial de cada exemplar publicado, distribuído ou vendido", disse na decisão judicial.

Segundo os advogados de Izaura, Carolina Miraglia e Marian Sauwen,  o reconhecimento da escritora como autora do trecho já havia sido obtido em outro processo de 2013. No entanto, o padre e a editora Globo não cumpriram o acordo estipulado na época nem corrigiram a informação na publicação. Em entrevista á Folha de São Paulo, Carolina informou que o pedido pela indenização foi feito com base na legislação brasileira de direito autoral que corresponde a 20% da venda de 10 milhões de exemplares do livro. A editora Globo e o padre Marcelo Rossi alegaram que só se pronunciarão após notificação judicial.

 

O jornalista Leo Dias estará no Recife, no próximo sábado (13), para lançar o livro Furacão Anitta, a biografia da cantora de maior destaque na cena pop brasileira atual. Dias encontra os fãs, para uma sessão de autógrafos, na Livraria Saraiva, do Shopping RioMar, às 15h.

Furacão Anitta promete um verdadeiro raio-x na vida da cantora vinda de Honório Gurgel, subúrbio carioca. O livro conta detalhes da infância da artista, passando por histórias de familiares e relembrando percalços e adversidades que ela precisou enfrentar no início da carreira.

##RECOMENDA##

A biografia foi lançada no último dia 30 de março, e, desde então, Leo tem percorrido algumas capitais para autografar os livros para os fãs.

Serviço

Sessão de autógrafos com Leo Dias

Sábado (13) | 15h

Livraria Saraiva - Shopping RioMar

Gratuito

 

O poder da escrita afetiva será tema de debates e workshop, no espaço Sinspire, localizado no Bairro do Recife, nesta sexta (5) e sábado (6). O evento será comandado pela jornalista e escritora Ana Holanda, e pela ativista cultural e empreendedora social, Luciana Nunes. A entrada é gratuita.

Em sua primeira vez no Recife, Ana Holanda, editora-chefe da revista Vida Simples, vai falar ao público sobre o paradoxo entre a imensa produção de conteúdo feita atualmente e a crise instaurada no setor editorial e como a forma de escrever pode causar impactos na realidade em que se vive. A jornalista lançou, recentemente, o livro Como se encontrar na escrita: o caminho para despertar a escrita afetuosa em você, e promete mostrar como produzir textos fugindo da superficialidade. Para tanto, ela e Luciana Nunes estarão promovendo uma troca de ideias, entre ambas e o público.

##RECOMENDA##

Abrindo o evento, nesta sexta (5) às 18h30, uma roda de diálogo discute os assuntos referentes ao tema do encontro. Já no sábado (6), às 10h, o workshop Escrita Criativa e Afetuosa propõe um mergulho na chamada escrita afetuosa além de um resgate da paixão por inscrever. O evento faz parte do projeto Trocas que inspiram, que vai reunir, todas as primeiras sextas-feiras de cada mês, convidados e interessados em trocar experiências artísticas e culturais. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail troca.sispire@gmail.com.

 Nesta terça-feira (2) é comemorado o Dia Internacional do Livro Infantil. A data foi escolhida em homenagem ao dinamarquês Hans Christian Andersen, considerado o primeiro autor moderno de contos de fadas. ‘Soldadinho de Chumbo’, ‘ A Pequena Sereia’ e ‘Patinho Feio’ são algumas das obras clássicas escritas por Hans.

Para celebrar esta data, o LeiaJá listou algumas obras infantis que abordam temas como representatividade, empoderamento e igualdade de gênero. Confira:

##RECOMENDA##

Olivia não quer ser princesa

A porquinha Olívia não entende o porquê de todas as suas amigas gostarem de rosa, varinha de condão e quererem ser princesas. Olívia não quer vestir as mesmas roupas, sonhar os mesmos sonhos e pensar igual a todo mundo. Ela quer explorar todas as possibilidades e descobrir quais coisas combinam mais com o seu jeito de ser. A narrativa é de Ian Falconer e ilustrações de Roberto Fukue. No Brasil, a obra foi lançada em 2014 pela editora Globo.

Ceci tem pipi?

Max e Ceci se conhecem na escola e até onde Max sabe existem pessoas com pipi, que são os mais fortes e as pessoas sem pipi. No entanto, Ceci não tem pipi e parece ser tão forte quanto Max. Ela joga bola, desenha mamutes e tem uma bicicleta de menino. Em ‘Ceci tem pipi?’ as crianças têm contato de forma divertida sobre a importância da igualdade de gênero entre meninas e meninos.

 

Menina não entra

Idealizado pela escritora brasileira Telma Guimarães Castro Andrade, ‘Menina não entra’ também aborda a igualdade de gênero. Na narrativa, um grupo de meninos decidem formar um time de futebol e não querem deixar Fernanda participar por ela ser menina. Mas a visão dos garotos muda quando percebem que ser menina não significa não ter habilidades .

 

A princesa e a costureira

Prometida em casamento a um príncipe do reino vizinho, a princesa Cintia vai encomendar seu vestido de noiva e acaba se apaixonando pela costureira Isthar. Cintia irá contar com ajuda de amigos para enfrentar seus pais e viver esse amor. O livro foi escrito por Janaina Leslão e conta com ilustrações de Júnior Caramez. De acordo com a editora, a obra pretende auxiliar famílias e escolas na discussão sobre a diversidade e ampliação dos direitos LGBT.

Tenho Dois Papais

Financiado com o apoio de uma campanha colaborativa no Catarse, a obra apresenta a história de um garotinho que tem dois pais, mostrando que sua vida é igual a de outras crianças que têm pais heterosexuais.

Amoras

Escrito pelo rapper Emicida e inspirado na música ‘Amoras’, a obra mostra a importância da autoaceitação. O livro tem ilustrações de Aldo Fabrini.

 

 

Meu crespo é de rainha

Publicado originalmente em 1999, o livro celebra a beleza e a diversidade dos cabelos crespos e cacheados, além de desconstruir a ideia de beleza padrão imposta pela sociedade.

Um dos mais influentes escritores moçambicanos, o romancista Mia Couto está em viagem pelo Brasil para divulgação de sua nova obra, O Terrorista Elegante e Outras Histórias, escrito com o autor angolano José Eduardo Agualusa. No dia 17 de abril, Couto passará por Pernambuco para duas palestras. 

Às 9h, o escritor fará uma palestra na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), sob o tema "Ser da Linguagem em seus desdobramentos literários, ético-estéticos". As inscrições se esgotaram poucas horas depois da liberação no site, nesta segunda-feira (1°). 

##RECOMENDA##

No mesmo dia 17, Mia Couto conversa com o público no Teatro Silogeu, em Vitória de Santo Antão, com o tema Que eu sei do que serei, eu que não sei o que sou? - O Continente Africano numa Perspectiva Literária. São 250 vagas disponibilizadas; as inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail ihgvitoriasa@gmail.com ou pelos telefones (81) 98740-7941 e 99808-1635.

Durante sua visita ao Brasil, autor tem comentado sobre a tragédia causada pelo ciclone Idai no seu país. O escritor afirmou ter ficado surpreso pela forma como o Governo brasileiro respondeu às inundações, com uma ajuda monetária que "não corresponde à relação histórica e afetiva entre os dois países e ao desejo dos brasileiros de contribuir".

 

Às vésperas do lançamento da segunda temporada de ‘O mundo sombrio de Sabrina’, na Netflix, a editora Geektopia lança no Brasil o HQ que inspirou a série. A trama se passa em 1966 e, assim como a primeira temporada da produção, apresenta as dúvidas e incertezas de Sabrina no pré-aniversário de 16 anos.

O HQ já está em pré venda na Amazon e tem data de lançamento prevista para 29 de abril. A segunda parte de ‘O mundo sombrio de Sabrina’ chega à Netflix nesta sexta-feira (5).

##RECOMENDA##

[@#video#@]

LeiaJá também

---> ‘O Mundo Sombrio de Sabrina’ ganha trailer completo

---> 'O mundo sombrio de Sabrina' ganhará prelúdio em livro

 Idealizado pela pedagoga e arte-educadora Helena D’Lucia, a obra infantil “Quem me dera um Beija-Flor” será lançada no próximo sábado (6), às 16h, nas Graças, Zona Norte do Recife.

No livro, um pequeno beija-flor vive incríveis aventuras e descobertas e durante a saga descobre a importância do respeito, da amizade e da verdade. Este é o primeiro livro da escritora, que é contadora de histórias há 15 anos e violonista clássica.

##RECOMENDA##

“Além de querer estimular a leitura, com esse trabalho pretendo despertar na criança o interesse por caminhos saudáveis, que levam ao bem comum, visto que a consciência de quem faz o caminho somos nós mesmos, com ética e solidariedade”, conta Helena.

Durante o lançamento, a autora também fará uma apresentação especial.

Serviço

Lançamento do Livro “Quem me dera um beija-flor”

6 de abril | 16h

Espaço Equilibre – Práticas Sistêmicas (Rua Aníbal Falcão, 151 – Graças)

*Com informações da assessoria

O escritor espanhol Rafael Sánchez Ferlosio, um dos principais nomes da literatura espanhola do século XX, conhecido pela obra "El Jarama", morreu nesta segunda-feira em Madri, anunciou sua editora.

"Lamentamos profundamente o falecimento de Rafael Sánchez Ferlosio (Roma, 4 de dezembro de 1927/Madri, 1 de abril de 2019), um dos grandes autores das letras espanholas", publicou no Twitter o grupo Penguin Random House.

##RECOMENDA##

Vencedor de muitos prêmios ao longo da carreira, incluindo o Prêmio Cervantes (2004) e o Prâmio Nacional das Letras Espanholas (2009), Sánchez Ferlosio era um dos máximos expoentes da literatura do pós-guerra na Espanha, com uma obra marcada pelo realismo social.

Em 1955 publicou seu romance mais conhecido, "El Jarama", considerado uma obra-prima da literatura espanhola do século XX, mas que ele renegou anos mais tarde.

"De toda minha obra, fico apenas com Alfanhul", afirmou em uma entrevista ao jornal El País em 2017.

Sánchez Ferlosio era filho de Rafael Sánchez Mazas, um dos fundadores do partido fascista Falange Espanhola e ministro do ditador Francisco Franco durante um ano após a Guerra Civil espanhola (1936-1939), cujo fim completa 80 anos nesta segunda-feira.

Seu pai esteve a ponto de morrer no conflito, mas conseguiu escapar do pelotão de fuzilamento, uma história que inspirou o escritor Javier Cercas a escrever o famoso livro "Soldados de Salamina".

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando