Gloria Pires critica possíveis mudanças da Ancine

Atriz declarou em uma das suas redes sociais que a ida da Agência Nacional do Cinema para a Casa Civil é 'um ataque à liberdade de expressão'

por Paulo Uchôa ter, 30/07/2019 - 12:12

Na última quinta-feira (25), no Facebook, o presidente Jair Bolsonaro voltou a falar da possível extinção da Agência Nacional do Cinema (Ancine). As falas polêmicas de Bolsonaro, que chegou a declarar que é inadmissível o Brasil ter nos cinemas filmes como o de "Bruna Surfistinha", chamou a atenção de alguns artistas.

Em uma publicação no Instagram, nesta terça-feira (30), a atriz Gloria Pires se manifestou sobre o assunto. Compartilhando uma foto ao lado de Tony Ramos, seu parceiro na comédia nacional "Se Eu Fosse Você", Gloria afirmou que as mudanças envolvendo a Ancine é como uma forma de controle e censura, além de ser um ataque à liberdade de expressão.

"O audiovisual brasileiro gera mais de 300 mil empregos, envolve mais de 13 mil empresas e injeta mais de 25 bilhões de reais na nossa economia. Somos um setor maior que o do turismo e que gera mais empregos que o automobilístico. Além da clara importância econômica, o audiovisual brasileiro tem relevante função social e cultural", escreveu a atriz.

"É inaceitável e incoerente que, em um país com 13 milhões de desempregados, uma indústria como a do audiovisual esteja sob ameaça. Diante de tantos absurdos, não nos calemos", finalizou. Na postagem, diversos internautas concordaram com o raciocínio de Gloria. "É um absurdo o que esse governo vem fazendo", comentou um dos usuários da rede social.

Confira o desabafo na íntegra:

COMENTÁRIOS dos leitores